Arquivos

I Simpósio Internacional “A Vocação Social da Pedagogia”


PresençaSeminarioAconteceu em Porto Alegre, dias 18 a 23 de Agosto o I Simpósio Internacional e Interdisciplinar “A Vocação Social da Pedagogia”. Prof. Geraldo Caliman participou falando sobre o tema “Tendências da Pedagogia Social Brasileira”.  Estarão presentes Professores da  Alanus University (Bonn Alemanha), Siegen Universitat (Alemanha) Universidade de Frankfurt, de Porto Alegre, São Paulo e Buenos Aires, entre outros. E os participantes são professores da rede pública de ensino do Rio Grande do Sul.

Artigo em “Zeitschrift für Soziale Arbeit”


SozialExtra

Artigo publicado por BENITES, CALIMAN, FICHTNER, na Revista científica alemã Sozial Extra, dedicada aos temas do Trabalho Social e Políticas Sociais. O artigo tem como título: Jugend – Gewalt – Drogen: Ein Handlungsfeld für neue Formen pädagogischer Praxis in Deutschland und Brasilien (= Violência – Juventude – Drogas: Um campo de ação para novas formas de prática pedagógica, na Alemanha e no Brasil). Publicado na mais conceituada revista alemã da área do Trabalho Social e Políticas Sociais: “Sozial Extra – Zeitschrift für Soziale Arbeit“.  As tendências de enfrentamento têm se caracterizado, na Alemanha, segundo Fichtner, com forte acentuação da punitividade, da desintegração e da falta de reconhecimento. O autor questiona e sugere o potencial dos Direitos Humanos para uma reconquista e desenvolvimento do que ele chama de “Categoria do Social” nas praticas culturais dos jovens. A violência e o uso de drogas pelos jovens da Alemanha estão sendo cada vez mais personalizados, patologizados e biologizados. Estes problemas, segundo Caliman estão sendo tratados como formas de comportamento desviante, como uma manifestação de determinados grupos marginalizados, à custa de jovens que vivem em uma sociedade que, autodeclarando-se “saudável” tende a lavar as mãos, a isentar-se de sua responsabilidade. Estratégia cômoda para colocar a culpa sobre os indivíduos e isentar a “sociedade” de sua capacidade destrutiva dos elos de interação entre os indivíduos. Esta perspectiva impede a percepção de que não somente os jovens praticam a violência, mas que eles também são submetidos a diversas formas de violência social, institucional e pessoal. É necessário estudar maneiras de atuar na prevenção através de práticas ligadas à cultura, à arte, às motivações que podem ressignificar a vida de sujeitos envolvidos.