Arquivo mensal: maio 2016

Secretaria da Criança DF e Cátedra Unesco-UCB promovem Seminário pelo fortalecimento da política de saúde mental no sistema socioeducativo


Secria5A Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade (Cátedra 812 da Unesco) promove, com presença de seu Coordenador, Prof. Dr. Geraldo Caliman, e do Secretario da Secretaria da Criança do DF, o Seminário “Da invisibilidade ao cuidado: pelo fortalecimento da política de saúde mental no sistema socioeducativo”. No auditório do Campus II da UCB, nos dias 23 e 24 de maio de 2016.

Quando um adolescente quebra a vidraça da escola é porque essa vidraça já quebrou há muito tempo dentro dele. A primeira tendência das pessoas que observam certos comportamentos dos jovens é pela punição. Infelizmente as pessoas têm resistência apensar no que leva, influencia, provoca essas reações. Antes de quebrarem os vidros de uma janela provavelmente já se quebraram as oportunidades daquele adolescente crescer em uma família, em um ambiente, em uma cultura apropriadas para o ajudarem no processo de crescimento e de formação para a vida para a qual se prepara. Por isso a insistência em falar em “Direitos” Humanos. Não é que os acadêmicos e intelectuais se esqueçam do valor dos “Deveres”; mas é preciso lembrar para a sociedade que alguém está pisando no calo de muitos jovens e se eles reagem, às vezes até agressivamente, é porque uma razão existe. Então, o que custa refletir sobre o que está dando errado na educação dos adolescentes e jovens, antes mesmo de manda-los para uma prisão? O adolescente que comete ato infracional assim como alguém com transtorno mental tem muito em comum, especialmente do ponto de vista social. Ambos conhecem a exclusão e a intolerância, sendo quase sempre compreendidos como alguém que não se adaptou às regras sociais. Historicamente o tratamento dado a essas pessoas se constitui em uma reclusão repressora e excludente, ficando segregadas em espaços direcionados àqueles que “necessitam” ser corrigidos, punidos e vigiados. Como repensar esse modelo? Esse Seminário vem refletir e discutir sobre esse tema tão complexo e instigante.

A programação conta com palestras e debates sobre a Reforma Psiquiátrica, a Rede de Atenção Psicossocial, Saúde mental infanto-juvenil, Política sobre drogas e Redução de danos, Violência, exclusão social, Justiça infanto-juvenil. Alem de trocas de experiências entre os profissionais do ramo, no que tange a atenção em saúde mental de adolescentes e servidores do Sistema Socioeducativo do DF.

Artigo: Pedagogia Social, Relações Humanas e Educação


Mediação3
O artigo de Caliman intitula-se “Pedagogia Social, Relações Humanas e Educação” e está centralizado na necessidade de criar um ambiente educativo que se assemelhe a uma comunidade educativa, favorável ao desenvolvimento da criança e do adolescente em contexto escolar. O autor discorre, no capítulo, sobre as dimensões da ação sociopedagógica de inspiração humanista, considerando as dimensões racional, relacional, existencial e profissional; Metodologias que priorizam as relações humanas; mas que aceitem os jovens dialogando a partir de um “ponto acessível à mudança”. Finaliza com provocações de como ativar, em contexto escolar, as relações humanas, obtendo benefícios eficazes para a formação e educação das crianças e adolescentes.

O artigo encontra-se no livro “Educação Básica: Concepções e Práticas”, publicado pela Uninove (SP), pp. 187-203. Resulta de um esforço coletivo de pesquisadores do Departamento de Educação da Uninove, que, junto à Secretaria Municipal de Educação de SP, em fins de 2014, reuniram em um Congresso pesquisadores de diversas nacionalidades e universidades em torno do tema das “Práticas Pedagógicas da Educação Básica”.