Arquivo da categoria: Publicações

Artigo: Pedagogia Social, Relações Humanas e Educação


Mediação3
O artigo de Caliman intitula-se “Pedagogia Social, Relações Humanas e Educação” e está centralizado na necessidade de criar um ambiente educativo que se assemelhe a uma comunidade educativa, favorável ao desenvolvimento da criança e do adolescente em contexto escolar. O autor discorre, no capítulo, sobre as dimensões da ação sociopedagógica de inspiração humanista, considerando as dimensões racional, relacional, existencial e profissional; Metodologias que priorizam as relações humanas; mas que aceitem os jovens dialogando a partir de um “ponto acessível à mudança”. Finaliza com provocações de como ativar, em contexto escolar, as relações humanas, obtendo benefícios eficazes para a formação e educação das crianças e adolescentes.

O artigo encontra-se no livro “Educação Básica: Concepções e Práticas”, publicado pela Uninove (SP), pp. 187-203. Resulta de um esforço coletivo de pesquisadores do Departamento de Educação da Uninove, que, junto à Secretaria Municipal de Educação de SP, em fins de 2014, reuniram em um Congresso pesquisadores de diversas nacionalidades e universidades em torno do tema das “Práticas Pedagógicas da Educação Básica”.

Mediação de Conflitos em Contextos de Violência


KATIA-Mediação001

Clique na imagem e baixe em PDF

Mediação, simbolização e Espaço Grupal: Propostas de Intervenções com Adolescentes Vulneráveis” (Kátia BRASIL; Didier DRIEU, Org.). Este livro se integra à coleção Juventude, Educação e Sociedade, com selo da Cátedra UNESCO da Universidade Católica de Brasilia e se propõe a apresentar intervenções e questões teóricas em relação à mediação e à simbolização no contexto educativo, nas instituições de saúde e no espaço psicoterapêutico. O livro nasce a partir do intercâmbio entre brasileiros e franceses que desenvolvem pesquisas e intervenções junto a populações vulneráveis e a instituições que as acolhem, com o propósito de evidenciar a diversidade metodológica de intervenção nessa população e promover uma discussão que privilegie a temática do mal-estar e da subjetivação do adolescente, a escuta dos jovens em conflito com a lei e os elementos epistemológicos e metodológicos da intervenção nesse segmento da população. Se divide em duas partes: a primeira intitulada “Mediação e simbolização no espaço escolar: política, inclusão e subjetivação” aborda como o espaço escolar pode fornecer aos adolescentes em situação de vulnerabilidade instrumentos para a transformação de si e a reinscrição no tecido social. A segunda parte do livro intitula-se “Mediação e simbolização: perspectivas psicanalíticas” e apresenta capítulos que trazem intervenções junto a adolescentes vulneráveis do ponto de vista psíquico.

 

 

Lançamento de Livro “MEC Pós-Constituição”


 

mec1De autoria do Prof. Dr. Celio da Cunha, o livro “MEC Pós-Constituição” foi lançado por ocasião da Aula Inaugural do Primeiro Semestre de 2016 do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Brasília, no dia 11 de março. A mesa de abertura foi composta pela diretora da Escola de Educação, Tecnologia e Comunicação, professora Christine Maria Soares de Carvalho; professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCB, Célio da Cunha e pelo coordenador da Cátedra UNESCO da UCB, professor Geraldo Caliman, que destacaram a importância da discussão sobre o Plano Nacional de Educação e do lançamento do livro “O MEC Pós-Constituição”. Organizado pelo pesquisador e professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCB, Célio da Cunha, o livro “O MEC Pós-Constituição”, traz todos os ministros da educação e o impacto de suas políticas no Brasil desde a Constituição de 1988 até hoje. “O livro é o resultado do trabalho de mais de três anos de um grupo de professores e estudantes do Programa de Pós-Graduação em Educação, no sentido de fazer um mapeamento das políticas educacionais no Brasil, após a constituição de 88. Ao todo são nove ministros, nove capítulos, precedido também de um capítulo inicial que procura fazer um elo entre os manifestos pioneiros da Educação Nova de 1932 e a continuidade desses sonhos pioneiros após a constituição”, conta o professor.

 

Em sua 20ª publicação, a Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade da Católica, tem tido uma grande atuação nas pesquisas do Programa. “É muito bom poder estar presente em mais um lançamento aqui na UCB. Essa é uma produção extremamente significativa e para esse ano ainda temos mais três livros em processo de finalização”, conta o coordenador da Cátedra da UCB, professor Geraldo Caliman.

 

Artigo: O Papel da Educação Social na Reabilitação Criminal


Baixe aqui: RIBEIRO-CALIMAN: Reabilitação Criminal: o Papel da Educação Social em Processos de Violência e Exclusão 

O artigo aborda a questão da reabilitação criminal no Brasil ressaltando a importância e a função da educação e, mais precisamente, da educação social e de seu profissional, o educador social nos processos de reinserção social de ex-presidiários. O objetivo principal é o de superar os frios procedimentos do aparato legal, reconhecer a limitação de sua aplicação prática às pessoas que tiveram condenações junto à justiça criminal, abrindo perspectivas à ação educativa potencializada pelos princípios metodológicos da pedagogia social e pela sua dimensão prática, a educação social. A reflexão é feita com base aos paradigmas interpretativos do risco social, da exclusão social e da justiça atuarial. Se por um lado constata-se uma baixa reinserção social após o envolvimento com a marginalidade por outro, projeta-se suas potencialidades que nascem da necessidade de dar respostas aos desafios da inclusão pela educação social em contextos marcados pela prevalência do controle social, da vigilância, do conflito e da violência.

THE BATTLE AGAINST CYBERBULLYING In: European Scientific Journal, v. 11, p. 473-481, 2015


RIBEIRO-CALIMAN-Cyberbullying2.pdf

This article analyses public policies about cyberbullying in Brazil starting with an Internet investigation about bills pending in National Congress, existent legislations and UNESCO’s recommendations. The goal is to verify, by means of critical discourse analysis, to whom these policies are destined, which are the predominant discourses and the values and intentions that they represent. The problem found is in the absence of specific public policies to the cyberbullying phenomenon due to subdivisions made to wide legislations and the influence of international agencies. To decrease violence that is produced by virtual bullying, strategies are suggested, such as inserting education as protagonist of public policies that may be implemented, taking into account the human rights paradigm as a fundamental value.

Nova publicação com o Selo da Cátedra: A Educação em Novas Arenas


2014-08-15-ARENASO livro intitulado A EDUCAÇÃO EM NOVAS ARENAS sai com o selo da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade. É um trabalho desenvolvido pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Brasília, tendo como organizadores os professores doutores Célio da Cunha, Wellington Ferreira de Jesus e Ranilce Guimarães-Iosif,  objetiva contribuir com a proposta de uma política educacional pautada na pesquisa científica, apontando para perspectivas nacionais e internacionais, nas quais estariam envolvidos velhos e novos atores sociais, sendo abordadas questões recorrentes e emergentes da realidade local e global apresentadas por docentes, mestrados e doutorandos envolvidos em projetos de pesquisa. Nesse procedimento, serão compreendidos os novos programas para a internacionalização, porém, sem desconsiderar os aspectos positivos e negativos de um projeto de governança corporativa. Da mesma forma, colocar-se-á em evidência uma relação dialógica que permeia o processo de construção do conhecimento, por meio da pesquisa, bem como, indicando outras possibilidades de investigação sobre a temática proposta, independentemente, de a sua abordagem ser mais tradicional ou mais inovadora.

Cátedra UNESCO-UCB publica novo livro


ImagemCom o selo da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade da UCB, sai a segunda publicação de livro este ano com o título: “Criatividade em uma Perspectiva Transdisciplinar”, assinado por Olzeni Ribeiro e Maria Cândida Moraes. Na sua informação de capa, o prof. Célio da Cunha (professor leitor desta Cátedra) assim se exprime: “O livro que se edita pela Coleção Juventude, Educação e Sociedade, [pela Catedra UNESCO-UCB], pela riqueza e amplitude de suas ideias e abordagens teóricas sobre a criatividade e o pensamento complexo, pode ser lido e interpretado sob diversos ângulos. Todavia, parece-me oportuno ressaltar sua importância no contexto da política educacional brasileira. Pode-se afirmar que o Brasil está vivendo uma revolução da inclusão educacional. Nunca tantas crianças, jovens e adultos tiveram a oportunidade de acesso amplo e irrestrito às escolas de educação básica e às universidades. Finalmente o direito à educação começou a prevalecer. O que se torna importante nesta fase de transição da exclusão para a inclusão, é liberar o potencial criativo do “povo brasileiro” para usar a expressão tão cara a Darcy Ribeiro. É neste cenário que sobreleva em importância o livro de Olzeni Ribeiro e Maria Cândida Moraes. A obra oferece a professores e educadores subsídios valiosos de transposição para a sala de aula de uma didática da criatividade, de forma a ver a criatividade, conforme destacou Saturnino de la Torre, na apresentação deste livro, nao como um conceito frio e distante, mas o potencial fascinante para transformar e transformar-se. Em outras palavras o Brasil de hoje já não é mais um país de verdades totalitárias que exclui a relatividade, a dúvida e a interrogação. O Brasil de hoje está se abrindo à contribuição de sua diversidade criadora”. Publicado por G. Caliman, em 15 de maio 2014.

“Pedagogia da Alteridade” (PIERONI; FERMINO; CALIMAN) será apresentado na ”Sala de Imprensa do Vaticano”


 

Alteridade2

Baixar da Biblioteca Virtual da UNESCO em PDF. Clicar sobre a imagem acima e depois sob a sigla POR

Na tarde do próximo dia 29 de março de 2014, organizado pelo “Centro de Reflexão Africa – 2000” (CRA-2000) da Rádio Vaticana, será apresentado o livro “Pedagogia da Alteridade: para Viajar a Cosmópolis” de Vittorio Pieroni,  Antonia Fermino e Geraldo Caliman. O livro foi traduzido do italiano (PIERONI-FERMINO: La valiggia del Migrante)  com a participação em capítulo e adaptação para a versão portuguesa aos cuidados de Geraldo Caliman e publicada pela Universidade Católica de Brasília em colaboração com a UNESCO. Clique aqui para baixar o livro da Biblioteca Virtual da UNESCO (UNESDOC) em PDF. Clicar sob a sigla POR .

A apresentação acontecerá às 16h30, na Sala Marconi da Rádio Vaticana, Praça Pia n. 3, Roma. O encontro será iniciado pelo presidente do CRA-2000. Falarão também: Pe. Federico Lombardi, Diretor da Radio Vaticana e da Sala de Imprensa Vaticana; Prof. Theodore Mascarenhas, do Pontifício Conselho da Cultura; o Prof. Kipoy Pombo, filosofo e teólogo da Pontifícia Universidade Urbaniana; o prof. Geraldo Caliman, da Universidade Católica de Brasília. Moderador: Profa. Mariagrazia Russo, da Universidade de Viterbo. Prof. Geraldo Caliman, Coordenador da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade estará presente no evento, como coautor do livro.

 

“Violências e Direitos Humanos” Organizado pela Catedra UNESCO-UCB


 

Imagem

Baixar da Biblioteca Virtual da UNESCO em PDF. Clicar sobre a imagem acima e depois sob a sigla POR

Uma contribuição conjunta de uma dezena de pesquisadores com a coordenação do Prof. Geraldo Caliman, Coordenador da Cátedra UNESCO de Juventude Educação e Sociedade: do Brasil (Candido Gomes, Carlos Angelo de Meneses Sousa, Célio da Cunha, Geraldo Caliman, Leila Bijos, da Universidade Católica de Brasília), da Alemanha (Bernd Fichtner, Maria Benites da Universidade de Siegen) e do México (Maria Teresa Prieto Quezada e José Claudio Carrillo Navarro da Universidade de Guadalajara). Vários dos coautores são doutorandos da UCB (Denise Lima, Diogo Acioli, Ivar Vasconcelos, Loni Manica, Olmira Dassoler): eles apresentam, junto aos seus orientadores, as suas pesquisas relacionadas ao tema, e reforçam a participação dos doutorandos nos projetos da Cátedra e a Cátedra como escola de pesquisa na área de ciências humanas. O livro foi publicado pela UNESCO-Liber Livro. Sob análise em “Violências e Direitos Humanos: Espaços da Educação” se encontram duas áreas conceituais: a questão do mal-estar social dos jovens que se manifesta em expressões de violência; e o lugar da educação entendido aqui como espaços de prevenção seja em ambientes escolares que em não-escolares. No centro do objeto de pesquisa não se situa tanto o “problema” da violência. Entendemos as manifestações de violência como sintomas de um mal estar que subsiste na sociedade. Sociedades violentas colhem os frutos de uma cultura de violência subjacente às relações sociais que nela intercorrem. Se existem problemas, estes seriam encontrados nas estruturas e nas culturas violentas que se reproduzem dentro das relações que se têm desenvolvido na sociedade. Neste sentido as drogas e as violências são considerados aqui expressões de um mal-estar, uma maneira de exprimir, de dizer que direitos fundamentais estão sendo negados no itinerário de quem deles precisa para responder aos desafios que a sociedade mesma impõe à infância e à juventude.

Baixar o Livro da Biblioteca Virtual da UNESCO (UNESDOC) em PDF: Violência e Direitos Humanos: Espaços da Educação (4 Mb)

Saiu do Forno: “Pedagogia da Alteridade”, Editora Liber/Catedra UNESCO-UCB, 2014.


AlteridadeSaiu do forno nesta ultima sexta feira, 24 de janeiro, o livro “Pedagogia da Alteridade: para Viajar a Cosmopolis”, de autoria de Vittorio Pieroni, Antonia Fermino e Geraldo Caliman. O primeiro, um italiano; a segunda, uma pesquisadora cabo-verdiana radicada na Itália; o terceiro, um italo brasileiro: todos trabalharam juntos no Instituto de Sociologia da Universidade Salesiana de Roma (1988-2003). E agora se debruçam sobre a questão da educação intercultural na perspectiva da Pedagogia Social. A Declaração Universal da UNESCO sobre a Diversidade Cultural afirma que “…a diversidade cultural é, para o gênero humano, tão necessária como a diversidade biológica para a natureza. Nesse sentido, constitui patrimônio comum da humanidade e deve ser reconhecida e consolidada em beneficio das gerações presentes e futuras.” O respeito à diversidade cultural é um pilar essencial para que a humanidade possa construir uma cultura de paz e garantir um mundo melhor para todos. Este livro se propõe a discutir as relações entre diferentes culturas, sobretudo quando existe a interferência de outros fatores que tornam difícil a convivência entre elas. O livro aborda ainda a questão dos movimentos migratórios, assunto sobre o qual a UNESCO também se debruça, sobretudo no sentido de garantir os direitos das populações que migram, especialmente os direitos humanos fundamentais. Os sistemas educativo-formativos estariam, hoje, em condições de desconstruir mecanismos etnocêntricos para construir um “homem com dimensão transcultural?”  Estariam tais sistemas aptos a formar um homem com capacidade de dialogar com a diversidade, respeitoso dos valores da alteridade? Estamos seguros que a leitura deste  livro contribuirá para trazer luz a questões fundamentais do nosso tempo. [Texto retirado da apresentação da Dra. Marlova Jovchelovitch Noleto, Diretora da Área Programática da UNESCO Brasil].

Cátedra Unesco publica seu terceiro livro esse ano


ImagemSaiu pela Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade a terceira publicação deste ano. O título: “A Escola e seus Processos de Humanização”. A autora: Magali Evangelista Machado, formada no Doutorado em Educação do Programa de MD em Educação. O segredo dos recursos para a escola não está no dinheiro, mas no investimento afetivo, nas relações humanas. Nas palavras do Prof Cândido Alberto Gomes, “as fórmulas mágicas para a qualidade e a democratização da educação simplesmente inexistem. No entanto, existem, sim, experiências e denominadores comuns para as escolas de sucesso. É o que esta obra mostra por meio de dois estudos de caso. Ambos os estabelecimentos, cada qual com o seu perfil e a construção dos próprios caminhos, demonstram que não são necessárias soluções mirabolantes e caras. Aliás, mostram que recursos não se confundem com dinheiro e que não seria injetando cada vez mais dinheiro que se obteria proporcionalmente maior qualidade. A educação é um processo que depende basicamente de relações entre pessoas, com lideranças sérias, e da construção de um clima de exigê^ncia, segurança e gosto pela escola. Não que instalações e equipamentos sejam negligenciáveis, mas a essência da educação se encontra nas redes de relações entre as pessoas, o que, com efeito, não é fácil de construir, nem de manter. Essa é a maior riqueza de uma escola.”

Catedra UNESCO publica livro do Prof. Luiz Síveres


Imagem

Editado pela Liber Livro, sai com o selo da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade, da Universidade Católica de Brasília, este livro do prof. Luiz Síveres, intitulado “A extensão universitária como principio de aprendizagem”. Resultado de uma pesquisa entre instituições de Ensino Superior Comunitárias (participantes do Fórum Nacional de Extensão e Ação Comunitária das Universidades e Instituições de Ensino Superior Comunitárias – ForExt), liderada pelo Prof. Luiz Síveres, exímio pesquisador sobre extensão universitária no país, este livro apresenta um pouco das vivências e aprendizagens de estudantes extensionistas a partir da extensão universitária. Como diria Paulo Freire, conhecer implica na presença curiosa do sujeito face ao mundo e requer uma ação transformadora sobre a realidade através da intervenção. A publicação divide-se em quatro capítulos os quais trabalham a dimensão da subjetividade do estudante, os processos de aprendizagem do estudante na extensão, a extensão e o exercício da cidadania e a extensão e a formação profissional.

Artigo em “Zeitschrift für Soziale Arbeit”


SozialExtra

Artigo publicado por BENITES, CALIMAN, FICHTNER, na Revista científica alemã Sozial Extra, dedicada aos temas do Trabalho Social e Políticas Sociais. O artigo tem como título: Jugend – Gewalt – Drogen: Ein Handlungsfeld für neue Formen pädagogischer Praxis in Deutschland und Brasilien (= Violência – Juventude – Drogas: Um campo de ação para novas formas de prática pedagógica, na Alemanha e no Brasil). Publicado na mais conceituada revista alemã da área do Trabalho Social e Políticas Sociais: “Sozial Extra – Zeitschrift für Soziale Arbeit“.  As tendências de enfrentamento têm se caracterizado, na Alemanha, segundo Fichtner, com forte acentuação da punitividade, da desintegração e da falta de reconhecimento. O autor questiona e sugere o potencial dos Direitos Humanos para uma reconquista e desenvolvimento do que ele chama de “Categoria do Social” nas praticas culturais dos jovens. A violência e o uso de drogas pelos jovens da Alemanha estão sendo cada vez mais personalizados, patologizados e biologizados. Estes problemas, segundo Caliman estão sendo tratados como formas de comportamento desviante, como uma manifestação de determinados grupos marginalizados, à custa de jovens que vivem em uma sociedade que, autodeclarando-se “saudável” tende a lavar as mãos, a isentar-se de sua responsabilidade. Estratégia cômoda para colocar a culpa sobre os indivíduos e isentar a “sociedade” de sua capacidade destrutiva dos elos de interação entre os indivíduos. Esta perspectiva impede a percepção de que não somente os jovens praticam a violência, mas que eles também são submetidos a diversas formas de violência social, institucional e pessoal. É necessário estudar maneiras de atuar na prevenção através de práticas ligadas à cultura, à arte, às motivações que podem ressignificar a vida de sujeitos envolvidos.

Artigo de Livro: Formação do Educador Social


148CALIMAN, G.; BOLWERK, D.; SANTOS, J.; SOUZA, N.; THIEL, R. Formação do Educador Social através do Ensino a Distância. In: AMPARO, D.; ALMEIDA, S.; BRASIL, K.; CONCEIÇÂO, M.I.; MARTY, F. Adolescência e violência: intervenções e estudos clínicos, psicossociais e educacionais. Brasília: Liber; UnB, 2012, p. 181-194.

Os processos educativos têm sido sempre centralizados, no Brasil, naqueles relacionados ao sistema escolar. A demanda emergente das necessidades sociais, especialmente aquelas referentes à infância e à Juventude, trouxe à tona outros processos educativos igualmente significativos e influentes. Em muitos casos a população socialmente excluída, em particular crianças, adolescentes e jovens, encontra em organizações sociais e outros ambientes não formais o apoio indispensável para superar as suas condições de exclusão. São associações, clubes, obras sociais e uma variedade de experiências  que viabilizam a educação por meio de metodologias, projetos e ações que incluem o esporte, o trabalho, o lazer, a cultura, a expressão, a arte. Em outras palavras, a escola é indispensável, mas não única nem suficiente.

Justiça pela Qualidade na Educação


Imagem

Lançamento: 02 de Abril, no Salão Nobre da Faculdade de Direito da USP. Os professores Geraldo Caliman, Cândido Alberto Gomes, Carlos Angelo de Meneses Sousa, Jacira Câmara e Celio da Cunha, todos pertencentes ao quadro de Pesquisadores da Cátedra UNESCO de Juventude Educação e Sociedade da Universidade Católica de Brasília colaboraram com artigos para o livro “Justiça pela Qualidade na Educação”. O Livro que será lançado no proximo dia 2 de abril no Salão Nobre da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, foi editado pelo movimento Todos Pela Educação e pela ABMP (Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude. Reúne artigos de profissionais das áreas do Direito e da Educação para um maior e mais qualificado diálogo entre essas duas áreas.

O Lançamento acontecerá na sessão solene de abertura do seminário Justiça pela Qualidade na Educação – Educação para a Qualidade da Democracia, promovido pelo Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Direito da USP. Na ocasião estará presente o Dr. Kishore Singh, relator especial das Nações Unidas para o Direito à Educação e do Prof. Titular Antonio Magalhães Gomes Filho, Diretor da Faculdade de Direito da USP.