Arquivo do autor:Laboratório de Pedagogia Social

Sobre Laboratório de Pedagogia Social

Doutorado (1995) e Pós-Doutorado (2001) em Educação - Università Pontificia Salesiana de Roma. Professor da Pontificia Universidade Salesiana' de Roma (UPS) (1995-2003) onde atuou como Coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Pedagogia Social (1998-2000). Experiência na gestão de instituições socioeducativas (Brasília 1982-1984; Belo Horizonte 1985-1987; 1991). A partir de 2005 é professor da Universidade Católica de Brasília onde já atuou também como Pró-Reitor de Pós Graduação e Pesquisa. Ensina no Programa de Mestrado e Doutorado em Educação e Coordena a Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade. Tem experiência na área de Educação, Sociologia da Educação, com ênfase em Pedagogia Social, e temas correlatos como Educação Social, Exclusão Social, Prevenção, Sociologia do Desvio e da Delinquência, Delinqüência Juvenil. Coeditor Internacional de "Alteridad: Revista de Educación"; Membro do Conselho Editorial da "Revista de Educação" da ANEC. Livros publicados nos últimos seis anos: (1) CALIMAN, G. (Org.) As Cátedras UNESCO e os desafios dos ODS, 2019; (2) CALIMAN, G.; VASCONCELOS, I. (Orgs.). Juventude Universitária: Percepções sobre Justiça e Direitos Humanos. Brasilia: Liber, 2016. (3) MANICA, L.; CALIMAN, G. Inclusão de Pessoas com Deficiência na Educação Profissional e no Trabalho. São Paulo: Paco, 2015. (4) CALIMAN, G.; PIERONI, V. Sociologia e Drogadição. Formação de Pessoal. Guarapuava: UNICENTRO – Universidade Aberta do Brasil, 2015. (5) MANICA, Loni; CALIMAN, Geraldo.. Educação Profissional para Pessoas com Deficiência. Brasília: Liber Livro, 2015.(6) CALIMAN, G. (Org.). Direitos Humanos na Pedagogia do Amanhã. Brasília: Liber Livro, 2014. (7) CALIMAN, G.; PIERONI, V. ; FERMINO, A. Pedagogia da Alteridade Brasília: Liber Livro, 2014. (8) CALIMAN, Geraldo (Org.). Violências e Direitos Humanos : Espaços da Educação. Brasília: Liber Livro, 2013.

Conferência sobre a Formação do Educador Social (IESF-Portugal)


Na segunda feira do dia 20 de junho, o Titular da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade proferiu conferência sobre o Educador Social: entre formação e reconhecimento profissional. O evento, denominado Encontros de Educação Social ocorreu no Instituto de Estudos Superiores de Fafe (IESF), no Norte de Portugal, para os alunos de Graduação do Curso de Educação Social.

A Cátedra UNESCO/UCB mantem uma parceria em rede há mais de cinco anos com o IESF. A configuração em rede permite que ambos os parceiros projetem, a partir dos objetivos da UNESCO e da Cátedra UNESCO, atividades acadêmicas voltadas ao desenvolvimento de pesquisas.

A licenciatura em Educação Social promove um novo paradigma de educação e intervenção social junto dos cidadãos. Os educadores sociais atuam em contextos sociais com funções educativas. O educador social reconhece as capacidades dos sujeitos, fortalece-as e estimula a participação destes nos seus projetos de vida. São profissionais formados a partir de uma multiplicidade de experiências e de referenciais científicos e pedagógicos, desde a Pedagogia Social, Gerontologia, Psicologia e Sociologia.

PARCERIA EM REDE ENTRE A CESPU E A CÁTEDRA UNESCO/UCB


O Reitor da CESPU Dr. José Alberto Duarte, Profa. Cristina Costa-Lobo, Prof. Bruno e Geraldo Caliman

No dia 17 de junho, a Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) e a Cátedra UNESCO/UCB iniciaram procedimentos para a celebração de uma parceria em rede visando amparar eventuais atividades de cooperação científica sobretudo no campo da pesquisa em educação e no campo social. Em perspectiva está uma cooperação cientifica da Cátedra em um Pós-doutoramento em Ciências Sociais a ser oferecida pela CESPU.
Na ocasião o Prof. Geraldo Caliman, Titular da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade proferiu, na sede da Universidade, uma conferência sobre “Educação Social no Brasil: Emergências, Evolução e Perspectivas Futuras”.
A CESPU situa-se no norte de Portugal, em região próxima à cidade do Porto. É uma Instituição privada, sem fins lucrativos, que tutela administrativamente três estabelecimentos de ensino superior particular e cooperativo. Foi constituída em 1982, tendo como objetivos a criação de estabelecimentos de ensino superior, universitário e politécnico, e a promoção da pesquisa científica e sua extensão universitária.
A Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) tem como missão criar e difundir conhecimento na área das ciências da saúde. É a entidade instituidora do Instituto Politécnico de Saúde Norte e do Instituto Universitário de Ciências da Saúde (IUCS). O IUCS tem como missão criar, transmitir e difundir a cultura, do saber e da ciência e tecnologia, através da articulação do estudo, do ensino, da investigação e do desenvolvimento experimental, no âmbito dos cursos ministrados e das atividades de extensão universitária. O Departamento de Ciências Sociais e do Comportamento do IUCS assume-se como um vetor fundamental na prossecução dos objetivos institucionais, projetando o contributo das ciências sociais e do comportamento em diversos domínios da investigação/avaliação/intervenção, não apenas para os domínios da saúde, mas também para sectores cada vez mais amplos da atividade humana, sendo assim um promotor da multidisciplinariedade e integrado na matriz institucional.

Cátedra UNESCO/UCB em parceria com a Escola da Ponte



No dia 15 de junho, o Prof. Geraldo Caliman, Coordenador da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade visitou a conhecida Escola da Ponte. A escola situa-se no Conselho de Santo Tirso (Município de Santo Tirso), na Região de Porto, Portugal. Foi dado inicio à assinatura de uma parceria formal com a Escola, através de sua mantenedora, a Câmara Municipal local. A intenção é de que Cátedra e Escola se integrem em rede atuando em comum alguns objetivos inspirados nas orientações da UNESCO e nos objetivos da Cátedra, particularmente no campo da pesquisa em educação.

A Escola da Ponte caracteriza-se por um Projeto Pedagógico característico e diferenciado. É uma instituição pública de ensino, localizada em Vila das Aves e São Tomé de Negrelos, em Santo Tirso, no Distrito do Porto, em Portugal, que proporciona aprendizagens a alunos do 1.º e 2.º Ciclo, dos 5 aos 14 anos, entre o 1.º e o 9.º ano, cujo método de ensino se baseia nas chamadas Escolas democráticas e numa educação inclusiva. Assim como será igualmente a primeira escola, no contexto histórico mundial, a exercer a chamada educação integral. É a instituição de ensino que Rubem Alves se refere, em 2001, descrevendo-a no seu livro “A Escola com que Sempre Sonhei sem Imaginar que Pudesse Existir”.

Faz parte integrante do chamado Movimento da Escola Moderna (MEM) alicerçado nas ideias pedagógicas do francês Célestin Freinet, e em 2002 era considerado, pelo presidente do referido movimento em Portugal, o único exemplo acabado dos seus princípios que são “uma escola democrática, para todos, em que se dá protagonismo ao aluno”. Assim como segue igualmente muito do pensamento apresentado pelo brasileiro Paulo Freire.

Viagem a Portugal em representação da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade da UCB


Há quase quinze anos de sua criação a Catedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade trabalha na construção de uma rede de cooperação interuniversitária nacional e internacional. É o que nos motiva a estarmos presentes em Portugal, mais precisamente na região do Porto, dos próximos dias 9 a 23 de junho para aprofundarmos contatos e parcerias, algumas já existentes há vários anos, com três entidades universitárias do norte de Portugal.


Trabalhamos, outrossim, no sentido de assumir nos diversos níveis organizacionais, curriculares e de políticas acadêmicas, os objetivos de desenvolvimento sustentáveis dentro as universidades do Grupo UBEC, como a UCB, FICB, Unicatólica e Unileste.
Como é um trabalho em rede, às vezes se manifesta invisível, mas presente através da ponta do iceberg das nossas pesquisas e consequentes publicações, impulsionadas pela Cátedra que, nos últimos dez anos, compreendem cerca de setenta títulos de livros (uma dezena ao ano) voltados para as temáticas de juventude e educação. De modo especial sobre os direitos humanos, culturas de paz e processos educativos voltados à pedagogia escolar e à pedagogia social.

Durante o mês de junho o Prof. Geraldo Caliman faz uma série de visitas a algumas universidades portuguesas em representação da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade. São entidades universitárias conveniadas ou parceiras da Cátedra UNESCO.

No dia 6 de junho, segunda feira, o Prof. Caliman falou na Abertura do II Congresso de Ação Humanitária e Cooperação para o Desenvolvimento 6 de junho. O evento é organizado pelo Prof. João Casqueira Cardoso, professor da Universidade Fernando Pessoa e pesquisador associado à Cátedra UNESCO/UCB.

Dia 13, Segunda feira, na cidade do Porto realiza-se uma visita e assinatura de parceria com o Externato Santa Clara/ Academia Beatriz Ribeiro. Esta instituição tem como base da sua concepção pedagógica a transdisciplinaridade, visando contribuir para a formação de cidadãos com uma sólida componente pessoal, social, científica e tecnológica e que desenvolvam as competências necessárias para um bom desempenho profissional e cívica, com autonomia e espírito crítico, com vista à integração na sociedade global em constante mudança. O Externato Santa Clara/Academia Beatriz Ribeiro aposta numa escola inclusiva tem em vista que todos e cada um dos alunos, independentemente da sua situação pessoal e social, encontrem respostas que lhes possibilitem a aquisição de um nível de educação e formação facilitadores da sua plena inclusão social.

No dia 15 o prof. Caliman profere uma conferência no Seminário Internacional de Educação, Sociedade e Culturas em Perspectivas Futuras. Sua contribuição discorrerá sobre a Dimensão Social da Educação e suas perspectivas em terras brasileiras.

Dia 17, sexta feira teremos participa de uma visita à Associação para o Desenvolvimento Integrado da Cidade de Ermesinde. É uma Instituição Particular de Solidariedade Social do Município de Valongo, como também ao Centro de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) que pretende uma parceria com a Cátedra UNESCO 812. Na CESPU o Prof. Geraldo Caliman fará conferência sujeita ao tema Metodologias pedagógicas voltadas para a inclusão social e fará a abertura/o lançamento do Programa internacional de pós doutoramento em Ciências Sociais.

Dias 20, 21 e 22 estará no Norte de Portugal, em Fafe, mais precisamente no Instituto de Ensino Superior de Fafe (IESF) uma Universidade já parceira da Cátedra UNESCO desde 2015. O Prof. Caliman fará uma Conferência sobre o desenvolvimento da Pedagogia Social no Brasil, para os estudantes da Graduação em Educação Social desta Universidade.

Cidade do Porto: Assinatura de Parcerias Institucionais


Assinatura de convênio, na cidade do Porto, dia 13, segunda feira, com o Centro de Educação Profissional Santa Clara/ Academia Beatriz Ribeiro a qual passa a fazer parte da Rede de parceiros da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade e se alinha com os princípios e os objetivos da mesma. Esta instituição tem uma forte função social de inclusão no atendimento de pessoas que vagam pelas ruas da cidade ou atingidas por diversos tipos de problemas. Sua concepção pedagógica se baseia na transdisciplinaridade, visando contribuir para a formação de cidadãos com uma sólida componente pessoal, social, científica e tecnológica e que desenvolvam as competências necessárias para um bom desempenho profissional e cívica, com autonomia e espírito crítico, com vista à integração na sociedade global em constante mudança. O Externato Santa Clara/Academia Beatriz Ribeiro aposta numa escola inclusiva tem em vista que todos e cada um dos alunos, independentemente da sua situação pessoal e social, encontrem respostas que lhes possibilitem a aquisição de um nível de educação e formação facilitadores da sua plena inclusão social, assinatura de parceria com o Centro de Educação Profissional Santa Clara/ Academia Beatriz Ribeiro.

Novo livro: Pedagogia Social e Educação Ambiental


Pedagogia Social e Educação Ambiental: um novo livro publicado pela nossa Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade da Universidade Católica de Brasília. Na perspectiva da Pedagogia Social, a autora discorre sobre a educação ambiental na educação infantil a partir de autores como DECROLY, BADEN-POWELL, JOHN DEWEY, FERRIÈRE, FROBEL… Clique na imagem para baixar em PDF


O estudo das três realidades pedagógicas “Asilo nel Bosco” (=Jardim de Infância no Bosque), “Jardim-Escola João de Deus”, “Educação ao ar livre” permite conhecer algumas das melhores realizações da escola contemporânea, orientada para a procura de significados e métodos para educar e instruir a criança, de acordo com uma visão de mundo naturalista e humanista. A formulação teórica revela itinerários iniciados pelo impulso de mudança, pelo trabalho de pedagogos e professores empenhados em responder às necessidades autênticas de meninos e meninas. Surgem os contornos de um desenho artístico e ético, uma manifestação do que os pequenos comunicam. As sensíveis intuições dos pioneiros, F. W. A. Fröbel, J. Dewey, A. Ferrière, foram seguidas por ações científicas que então se fundiram em modelos escolares capazes de se comunicar com a sociedade em rápida transformação. É uma ideia de educação gerada por uma concepção do homem integral, não fragmentado, unido ao universo do qual ele é a essência principal e não, genericamente, uma parte. A diversidade é a consciência da própria identidade que se desenvolve com outras identidades, em paz e de acordo com a justiça, afastando-se das relações regidas pela supremacia e dominação. A alma da infância é livre para aceitar esta dimensão transversal da existência, vivida em contextos de vida ao ar livre e de modo a constituir um pré-requisito fundamental na pedagogia descrita pela epistemologia humanista e na metodologia da interação.

Interação, Diálogo e Práticas Pedagógicas no Ensino Médio


REZENDE, R.C.A.; CALIMAN, G. Interaction, dialogue and pedagogical practices in high school. Alteridad, Vol. 17, No. 1,100-109, 2022. https://doi.org/10.17163/alt.v17n1.2022.08

La sociedad demanda habilidades de autonomía, dinamismo y protagonismo frente a los más diversos desafíos derivados de la globalización que permea todos los sectores sociales. Para los jóvenes, la escuela se presenta como un espacio en el que se pueden desarrollar mejor estas habilidades, ya que su alumnado está en plena formación cognitiva, actitudinal y socioemocional. Esta investigación se justifica por la necesidad de aclarar cómo la escuela, especialmente el profesor, puede contribuir a la formación autónoma y dinámica de alumnos y alumnas que estudian en escuelas públicas y se revelan vulnerables a los desafíos sociales. El estudio tiene como objetivo analizar la interacción social entre profesores y alumnado, centrándose en la aplicación de técnicas pedagógicas capaces de desarrollar la resiliencia, en una escuela secundaria de una comunidad vulnerable, a partir de la triangulación de los marcos teóricos de la interacción, la exclusión y la autonomía. La metodología se basa en un enfoque cualitativo de carácter exploratorio con el método de estudio de caso. Los datos se recogen mediante el análisis de documentos, la observación y las entrevistas con ocho profesores/profesoras y veinte alumnos/alumnas de una escuela pública de la capital de Brasil. Como resultados más relevantes de la investigación, se observa que la interacción profesor-alumno dentro del proceso de enseñanza-aprendizaje hace que el proceso educativo sea significativo para el alumnado y la estrategia pedagógica posibilita la formación integral de alumnos/ alumna ante los retos que surgen de la realidad actual.

O direito à inclusão educacional na universidade


VASCONCELOS, Ivar César Oliveira de; CALIMAN, Geraldo. O direito à inclusão educacional: percepções de jovens estudantes universitários. In: PINTO, M.L.S.; EYNG, A.M.; ESTEVAM, M. (Orgs). Educação e Direitos Humanos: desafios, diálogos e práticas.
Curitiba: Editora IFPR. 2021. pp. 69-80. ISBN: 978-65-88493-15-1.

Em termos de sistema educacional, a inclusão educacional se refere, fundamentalmente, ao impulso e prática imprescindíveis a que os indivíduos deslanchem tais potencialidades, sendo uma tentativa de oferecer abrangência ao cenário de esforços para a humanização desses indivíduos. E, se cumprida enquanto discurso oficial, ela contribui para promover a sua inclusão social. No entanto, nem tudo ocorre como anunciado. Assim, apenas parte dos estudantes usufrui do direito à educação prometida. Como os estudantes percebem a inclusão educacional na universidade?
Para obter informações sobre esse objeto de pesquisa, este trabalho se utilizou de dados da investigação “Caracterização dos processos de inclusão/exclusão social de jovens universitários”, em execução no âmbito da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade, da Universidade Católica de Brasília. Mencionada investigação tem o apoio da Comissão das Instituições Universitárias Salesianas (IUS), que estuda a influência dessas instituições sobre a sociedade, e está sendo replicada na Rede IUS internacional, a qual se constitui de universidades no Equador, Chile, El Salvador, Bolívia e Brasil (CALIMAN; VASCONCELOS, 2019).
Tal investigação tem as seguintes características: 1) pesquisa com abordagem qualitativa-exploratória; 2) participação de 42 jovens universitários, cujos perfis foram desenhados a partir de declarações durante a coleta de dados (ver Quadro 1); 3) participantes de uma universidade que, sendo confessional, assume publicamente em seus documentos estratégicos um compromisso educacional global com os seus alunos; 4) universidade localizada no Distrito Federal, que se caracteriza pela diversidade sociocultural, com populações advindas de outras regiões do país; 5) dados coletados em 2017 por meio de cinco grupos focais (BARBOUR, 2009), identificados como GF1…, GF5, tendo contado com a média de oito participantes por sessão; 6) coleta realizada na instituição pesquisada por um dos autores deste trabalho, o qual se fez acompanhar em cada grupo por dois pesquisadores; 7) dados submetidos à análise de conteúdo (BARDIN, 2009).

Diversidade Cultural: em parceria com Unisal e seu Núcleo Étnico-Cultural e Social


MORAES, Elisângela Lambstein Franco de (Org.). Diversidade Cultural: 18 anos da Lei 10.639. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021. 127p. (baixar e-book)

Elisângela Lambstein Franco de Moraes, atualmente trabalha como Coordenadora Pedagógica SESI – SP Serviço Social da Indústria, Consultora em Educação, Psicopedagoga e Psicanalista. Afirma ela que, como “mulher, branca, mãe de dois filhos, me engajou nos estudos do Mestrado em um projeto com o foco na luta antirracista, movimento que me dedico até os dias atuais”. O livro “Diversidade Cultural” que ho­menageia os 18 anos da Lei 10.639, da pesquisadora Elisângela Lambstein Franco de Moraes, é, antes de tudo, uma obra que amplia o debate público sobre a educação das relações étnico-raciais, especialmente sobre a cultura afro-bra­sileira na escola. Um debate necessário, e urgente, que segue na direção de uma sociedade mais plural, respeitosa e dia­logal em relação à riqueza cultural e étnica, presente nos quatro cantos desse país. Entre os temas enfrentados estão: A Cultura Afro-brasileira no Espaço Escolar; Capoeira no Espaço Escolar; Formação de Professores no horizonte da Educação; Visibilidade da Mulher Negra no Currículo Escolar; Cultura, História e Educação Crítica Emancipadora.

Tela de Abertura: Pedagogia Social: da Indignação à Emancipação?


No dia 17 de novembro o Prof. Geraldo Caliman proferiu conferência de abertura do seminário “Pedagogia Social indignação e/ou emancipação”, promovido pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). A tela de abertura do evento foi conduzida e moderada pelo prof. Arthur Viana. A conferência está disponível no link abaixo via YouTube. https://youtu.be/bXUPmEnWAF4

Assista no YouTube: https://youtu.be/bXUPmEnWAF4

A perspectiva socioeducativa de Paulo Freire


ORZECHOWSKI, S.T.; CALIMAN, G. A perspectiva socioeducativa de Paulo Freire, uma Pedagogia social sobre liberdade, amorosidade e paciência pedagógica. Revista de Pedagogia Social, vol 12, out. 2021. (ISSN 2527-0974; DOI https://doi.org/10.22409/rpsuff.v12i12 )

A reunião de ideias aqui transcritas pretendem exercer uma forte ação
de problematização aos leitores a partir das convicções de Paulo Freire, as quais
iluminam a concepção da Pedagogia Social. Os conceitos aqui apresentados
trazem a luz sobre a perspectiva socioeducativa da educação libertadora que
prescinde de uma paciência pedagógica que conduz a autonomia.
Palavras- chave: Freire; educação; pedagogia; pedagogia social.
Itens: Liberdade como autoridade; As Obras, a palavra e o pensamento grávido de mundo; A pedagogia, a educação e o sujeito que é social; Freire e a Pedagogia Social; Ponderações finais.

Palestra do Prof. Caliman sobre Pedagogia Social e Responsabilidade Social


O Prof. Geraldo Caliman pronuncia palestra sobre “Pedagogia social e responsabilidade social” (terça-feira, 23 de novembro, 19 horas). Link acima.

Com o tema “O Papel Social da Universidade”, a coordenação de pastoralidade do Centro Universitário Católica do Tocantins (UniCatólica) realizará de 22 a 26 de novembro o primeiro Ciclo de Conferências Internacionais gratuitas para acadêmicos, docentes, profissionais da área e comunidade em geral. O evento faz parte da Programação do Ano Jubilar da mantenedora da Instituição, a União Brasileira de Educação Católica (UBEC). O ciclo será transmitido via YouTube do UniCatólica e receberá palestrantes de várias instituições de Ensino Superior brasileiras entre elas, a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), e estrangeiras, como Universidades de Moçambique, Roma, Portugal, Madri e Washington. Os participantes de todas as conferências receberão certificados com carga horária de 18 horas.

Programação
Confira a programação completa do Ciclo de Conferências Internacionais abaixo:
22/11 – 15h – Prof. Dr. Severino Engenha – Universidade Técnica de Moçambique
23/11 – 19h – Prof.ª Dr.ª Ruth Pavan; Prof. Dr. José Licínio Backes e Prof. Dr. Geraldo Caliman – Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e Universidade Católica de Brasília (UCB)
24/11 – 19h – Prof. Dr. Antônio Joaquim Severino – Faculdade de Educação da USP – SP
25/11 – 17h – Prof. Dr. José Franisco Meirinhos – Universidade do Porto – Portugal
26/11 – 15h – Prof. Dr. José Antonio Zamora – WestfäliscThe-WilThelms-Universtät de Münster – Madri, Alemanha
26/11 – 20h – Prof.ª Dr.ª Livia Lopes – CUA Student Organisation of Latinos (SOL) – Washington (EUA)

A função social da Universidade


A função social da Universidade: diálogos além fronteiras. CORREIA, Fábio Caires; CASTRO, Gillianno Mazzetto de. (Orgs). Porto Alegre, RS: Editora Fundação Fênix, 2021.

De autoria de Fabio Caires e Gillianno Mazzetto, é publicado com o logotipo da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade da Universidade Católica de Brasília. Este é um livro que se propõe pensar o papel social da universidade com vozes de múltiplos lugares, estilos, olhares e realidades: eis o nosso escopo. Uma obra atravessada e irmanada por uma história para muitos desconhecida, mas que marca o desenvolvimento da humanidade. Eis a nossa música de fundo. A universidade, seja ela como queiram nominá-la, desde a Eduba suméria, passando pela Nalanda indiana, cruzando os desertos e encontrando refrigérios nos Oásis das Madaças árabes, cruzando os olivais europeus e chegando as terras da promessa portuguesa, isto é, o Brasil sempre portaram consigo o cheiro do infinito. Há nelas o signo da utopia e dentro delas, muitas vezes de maneira soturna, anoitecida, o pulsar do chamado. O vocativo pertinente e inerente a cada ser humano. Ad astra! Isto é, para o alto. As universidades como lugares do dever ser e do devir a ser. Elas, como habitações do Já-e-ainda-não cultivam-se nos horizontes da profecia, do professorado e da esperança. Por que profecia, professorado e esperança? Profecia, pois, estas instituições deveriam ser leitoras inteligentes da realidade, elas são aquelas que pro – “à frente, adiante” pheme “palavra”, ou seja, aquelas que põem a palavra adiante, aquelas que anteveem. Professorado porque, pro- “à frente, adiante” e fari “fala”, são aquelas que falam publicamente, falam diante. Esperança porque é nelas que as gerações são formadas. É nelas que os discentes, aqueles que aprendem, tornado-se discípulos, aqueles que seguem, constroem o presente amanhecido do mundo da vida. Perguntarmo-nos sobre o papel social da universidade, principalmente no século XXI em um contexto no qual o mundo foi assolado por uma pandemia significa redescobrir essa intuição original. A universidade não como um lugar de informação apenas, mas como um espaço de encontro no qual a tradição dos povos é acolhida, ruminada, compartilhada, retrabalhada, ampliada e devolvida sob a forma de ensino, pesquisa e extensão, ou valendo-nos de uma roupagem clássica, debaixo do véu do discipulado, do conhecimento e da comunidade. A universidade está imersa na sociedade, em correspondência eficiente com ela, de forma dialógica e recíproca, assumindo uma função social. Sua atividade não pode se ajustar apenas à prática acadêmica, mas à sua missão socialmente comprometida.

TDICS e os Desafios em Tempos de Pandemia


PEREIRA, A.M.; PERPÉTUO, L.D.; CALIMAN, G. Formação docente, tecnologias digitais de informação e comunicação (TDICS) e os desafios em tempos de pandemia. In: NHANOMBE, A.A.; LIMA, F.X.R.F.; SILVA, J. L. B. da (Orgs.) . Temas de Gestão, Ensino e Formação Docente. Rio de Janeiro: Pembroke Collins, 2021, pp. 304-321. ISBN 978-65-89891-23-9
No início do ano de 2020, fomos surpreendidos pela chegada assustadora da pandemia e os desafios advindos do coronavírus (Covid-19), afetando a sobrevivência humana. Com a pandemia foi preciso nos reinventar e criar estratégias para a atuação laboral e nos adaptar a um novo contexto de vida, com destaque para o setor da educação, que se tornou um ponto nevrálgico e de grande preocupação para toda a sociedade. Diante do exposto, colocam-se questionamentos sobre as novas formas de ensinar em tempos de pandemia e quanto à formação dos professores: até que ponto a formação ofertada deu suporte para que os nossos educadores pudessem realizar com propriedade o trabalho pedagógico? Considerando a situação vivenciada pelos educadores, este artigo buscou investigar a formação de professores da Educação Básica. Ao mesmo tempo, busca-se compreender em que medida os professores da escola pública estão preparados e possuem acesso às Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs). Um terceiro objetivo é identificar os efeitos do ensino remoto na vida e na saúde dos docentes em contexto pandêmico. Nessa perspectiva, diversos autores, entre eles Nóvoa (2020), Morin (2000), Prensky (2011), Perrenoud (2000) e Freire (1997), refletem sobre a importância da formação de professores para o fortalecimento das diretrizes da educação. A formação aqui considerada está ligada à preparação do professor para o uso das TDICs.

Prof. Caliman ministra aulas no Curso de Especialização em Educação Social da USP


Educação Social da USP. O curso é administrado pela Faculdade de Educação (FE-USP) sob a coordenação do Prof. Roberto da Silva. São 150 os participantes. O Prof. Geraldo Caliman participou da Abertura que foi realizada no Domingo dia 19/09/21, à noite, por ocasião da celebração dos cem anos de Paulo Freire. E ministrou a aula (online) no dia 22/09 à noite, sempre para um público muito interessado e já envolvido com a Pedagogia Social, O curso continua durante dez meses, com participação de vários professores que trabalharam desde os anos noventa com a difusão e fundamentação teórica e metodológica da Pedagogia Social no Brasil. Discursou por duas horas e meia sobre o conceito de Pedagogia Social e sobre o percurso da Pedagogia Social no Brasil nos últimos anos.