Os Jesuítas no Brasil: entre a Colônia e a República

18 de setembro de 2016 Comentários desligados

jesuitasOs Jesuítas no Brasil: entre a Colônia e a República (Carlos Angelo de Meneses Sousa e Maria Juraci Maia Cavalcante, Org.).

O Prof. Dr. Carlos Ângelo, Leitor da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade e professor do Programa de Doutorado em Educação da UCB, juntamente com a Profa. Dra. Juraci Cavalcante, Coordenadora da Linha de História da Educação Comparada da UFC organizaram a presente obra, fruto de uma arrojada rede de pesquisadores, que se debruçou sobre a presença e atuação educacional de uma das mais significativas ordens religiosas da Igreja Católica, a Companhia de Jesus ou os Jesuítas. Sua ação percorre nossas terras desde os tempos coloniais, até a República no início do século XX. Não é à toa que os filhos de Inácio de Loyola estão presentes na história da educação brasileira, como nos recordava Fernando de Azevedo e outros eminentes pensadores brasileiros, tanto enaltecendo a sua obra educativa quanto criticando-a, mas sempre recordando de sua forte e marcante presença.

Publicação Cátedra UNESCO: Diálogo um Principio Pedagógico (de Luiz SIVERES)

16 de setembro de 2016 Comentários desligados

dialogo-siveres018Diálogo: um Principio Pedagógico (de Luiz SIVERES). O diálogo é um elemento inerente à condição humana e, portanto, está presente na constituição da identidade dos indivíduos e na realização de sua sociabilidade. Neste caso, o diálogo é um atributo singular de cada membro da sociedade, mas principalmente, uma característica essencial das relações sociais. Para desenvolver essa temática, inserida no contexto atual da educação, o livro: Diálogo – um princípio pedagógico procurou compreender o conceito de diálogo, historicamente situado, e entender como ele poderia fazer-se presente na reflexão e na prática educativa, caracterizando-se, assim, como um princípio pedagógico. Nesta obra, o conjunto dos artigos tem como dinâmica integradora o entendimento do diálogo como um princípio e um processo pedagógico. Portanto, tal conjunto assume um procedimento tridimensional que articula o ser, o saber e o agir pedagógico, bem como a noção de processo que, pela reflexão e prática educativa, estaria contribuindo com o percurso educacional.

Juventude Universitária Percepção de Justiça e Direitos Humanos

30 de junho de 2016 Deixe um comentário

JuvUnivDirHum002Publicado pela Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade: CALIMAN, G.; VASCONCELOS, J.I. (Orgs). Juventude Universitária: Percepção sobre Justiça e Direitos Humanos. Brasília: Cátedra Unesco-UCB; Liber, 2016 (ISBN: 978-85-7963-148-1). Conforme a Constituição da UNESCO (2002), “Uma vez que as guerras se iniciam nas mentes dos homens, é nas mentes dos homens que devem ser construídas as defesas da paz”. Por meio das percepções destes jovens universitários, podemos colher indícios do que a nossa geração lhes legou, de qual é o presente e do que se pode esperar do futuro. Uma pesquisa sobre Direitos Humanos no meio Universitário com a participação de sete pesquisadores de Universidades Internacionais (Itália, Espanha, Portugal, México) e sete pesquisadores de Universidades Brasileiras. Assim se exprime José Machado Pais, expert internacional sobre Juventude, licenciado em Economia e doutorado em Sociologia, Investigador Coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Professor Catedrático Convidado do ISCTE/Instituto Universitário de Lisboa (Portugal) a respeito desta publicação:  “O questionamento das percepções dos jovens universitários sobre justiça e direitos humanos é um convite para que reflitamos no futuro das nossas sociedades. E porque assim é, em mãos temos um livro que nos desafia a imaginar o futuro como reconstrução de um presente cujo teto cultural (de valores, direitos humanos, ética e justiça) se entrecruza com um solo vital (de desigualdades sociais e constrangimentos económicos). Num estudo onde a esperança de um futuro melhor é debatida, não só no  Brasil como noutras latitudes geográficas da América Latina e da Europa, o que descobrimos é que as percepções e aspirações  juvenis se jogam num campo de tensões sociais entre discriminação e emancipação, individualismo e solidariedade, sobrevivência e direito a uma vida digna. Poderão estes dilemas ser pensados fora dos processos educacionais?” Você pode baixar o livro em PDF

Conferência em Congresso na Universidade de Rio Verde, GO

16 de junho de 2016 Comentários desligados

RioVerde2

IMG_6881

Prof. Geraldo Caliman, Coordenador da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade participou, na Universidade de Rio Verde (GO) do Congresso de Iniciação Cientifica, entre 6 e 8 de junho. O professor proferiu Conferência sobre “Pedagogia social e direitos humanos”. E de uma Mesa Redonda com o tema: “O papel do educador social em instituições educacionais e não educacionais”.

O congresso tem como objetivo estimular a produção científica e divulgar os resultados obtidos nos programas de Iniciação Científica para aumentar o intercâmbio de informações entre pesquisadores, profissionais, estudantes, técnicos e a comunidade.  O evento foi destinado para estudantes de graduação de todas as instituições de ensino superior e profissionais das diversas áreas do conhecimento. Houve apresentação e premiação dos melhores trabalhos. Durante o congresso foram realizadas palestras, mesas redondas, apresentação oral dos trabalhos selecionados, apresentação de painéis, oficinas e divulgação dos melhores trabalhos. Para acessar os anais clique aqui.

Secretaria da Criança DF e Cátedra Unesco-UCB promovem Seminário pelo fortalecimento da política de saúde mental no sistema socioeducativo

23 de maio de 2016 Comentários desligados

Secria5A Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade (Cátedra 812 da Unesco) promove, com presença de seu Coordenador, Prof. Dr. Geraldo Caliman, e do Secretario da Secretaria da Criança do DF, o Seminário “Da invisibilidade ao cuidado: pelo fortalecimento da política de saúde mental no sistema socioeducativo”. No auditório do Campus II da UCB, nos dias 23 e 24 de maio de 2016.

Quando um adolescente quebra a vidraça da escola é porque essa vidraça já quebrou há muito tempo dentro dele. A primeira tendência das pessoas que observam certos comportamentos dos jovens é pela punição. Infelizmente as pessoas têm resistência apensar no que leva, influencia, provoca essas reações. Antes de quebrarem os vidros de uma janela provavelmente já se quebraram as oportunidades daquele adolescente crescer em uma família, em um ambiente, em uma cultura apropriadas para o ajudarem no processo de crescimento e de formação para a vida para a qual se prepara. Por isso a insistência em falar em “Direitos” Humanos. Não é que os acadêmicos e intelectuais se esqueçam do valor dos “Deveres”; mas é preciso lembrar para a sociedade que alguém está pisando no calo de muitos jovens e se eles reagem, às vezes até agressivamente, é porque uma razão existe. Então, o que custa refletir sobre o que está dando errado na educação dos adolescentes e jovens, antes mesmo de manda-los para uma prisão? O adolescente que comete ato infracional assim como alguém com transtorno mental tem muito em comum, especialmente do ponto de vista social. Ambos conhecem a exclusão e a intolerância, sendo quase sempre compreendidos como alguém que não se adaptou às regras sociais. Historicamente o tratamento dado a essas pessoas se constitui em uma reclusão repressora e excludente, ficando segregadas em espaços direcionados àqueles que “necessitam” ser corrigidos, punidos e vigiados. Como repensar esse modelo? Esse Seminário vem refletir e discutir sobre esse tema tão complexo e instigante.

A programação conta com palestras e debates sobre a Reforma Psiquiátrica, a Rede de Atenção Psicossocial, Saúde mental infanto-juvenil, Política sobre drogas e Redução de danos, Violência, exclusão social, Justiça infanto-juvenil. Alem de trocas de experiências entre os profissionais do ramo, no que tange a atenção em saúde mental de adolescentes e servidores do Sistema Socioeducativo do DF.

Mesa Temática: “Mediação, simbolização e Espaço Grupal”

12 de maio de 2016 Comentários desligados

mediacao

A mesa temática apresentará o livro de Kátia BRASIL e Didieu DRIEU sobre propostas de intervenções com adolescentes vulneráveis. Alem da palestra será oferecido um pequeno lanche e sorteio de livros.

 

Artigo: Pedagogia Social, Relações Humanas e Educação

12 de maio de 2016 Comentários desligados

Mediação3
O artigo de Caliman intitula-se “Pedagogia Social, Relações Humanas e Educação” e está centralizado na necessidade de criar um ambiente educativo que se assemelhe a uma comunidade educativa, favorável ao desenvolvimento da criança e do adolescente em contexto escolar. O autor discorre, no capítulo, sobre as dimensões da ação sociopedagógica de inspiração humanista, considerando as dimensões racional, relacional, existencial e profissional; Metodologias que priorizam as relações humanas; mas que aceitem os jovens dialogando a partir de um “ponto acessível à mudança”. Finaliza com provocações de como ativar, em contexto escolar, as relações humanas, obtendo benefícios eficazes para a formação e educação das crianças e adolescentes.

O artigo encontra-se no livro “Educação Básica: Concepções e Práticas”, publicado pela Uninove (SP), pp. 187-203. Resulta de um esforço coletivo de pesquisadores do Departamento de Educação da Uninove, que, junto à Secretaria Municipal de Educação de SP, em fins de 2014, reuniram em um Congresso pesquisadores de diversas nacionalidades e universidades em torno do tema das “Práticas Pedagógicas da Educação Básica”.

Categorias:Publicações