Quito: Congresso “Buenos Ciudadanos y Sistema Preventivo”

1 de novembro de 2016 Comentários desligados

ups-calimanA Universidade Politécnica Salesiana de Quito, Ecuador, tem quase trinta mil estudantes. Organizou na semana passada (26 a 28 de outubro) um Congresso intitulado “Buenos Ciudadanos y Sistema Preventivo”. Participaram do Congresso cerca de 300 pessoas, entre os dirigentes e estudantes da Universidade. No primeiro dia, quarta feira, proferiram conferencia os professores Geraldo Caliman, (Universidade Católica de Brasília), Amauris Laurencio (Universidade de Havana, Cuba), e Claudius Ceccon (Ex Cartunista do Pasquim – Brasil).  O Prof. Geraldo Caliman, representando a Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade da Universidade Católica de Brasília mencionou a construção de uma pedagogia social como pedagogia salesiana voltada à formação humana, onde existem outros espaços além dos escolares, como a família, a convivência humana, os movimentos sociais. “As metodologias da Pedagogia Social ressaltam prioritariamente as relações humanas, que incluem o afeto, a racionalidade, a tecnologia e a dimensão existencial que dão sentido à construção de um projeto de vida”, mencionou Caliman. Ressalta-se a participação da inteira gestão daquela Universidade no evento, entre Reitor, Pro-Reitores, alem dos estudantes muito motivados.  Mais noticias no site: http://www.ups.edu.ec/noticias?articleId=7878186&version= 

Pesquisadores de Cinco Universidades Salesianas reunidos em Quito

25 de outubro de 2016 Comentários desligados

ius-quitoSerá que as Faculdades e Universidades Salesianas conseguem fazer com que seus alunos se integrem na sociedade de hoje? Ou que eles participam mais como cidadãos? Como esses jovens se percebem pertencendo a uma Universidade com identidade “Salesiana”? São algumas das perguntas que as Instituições Universitárias Salesianas (IUS) se fazem. A investigação “CARACTERIZACIÓN DEL PROCESO INCLUSIÓN/EXCLUSIÓN EN JÓVENES UNIVERSITARIOS DE LA RED IUS” pretende sistematizar a percepção do fenômeno da exclusão/inclusão social por parte de estudantes universitários de ambos os sexos, entre 18 e 24 anos em 5 Universidades da rede IUS, mais especificamente: a Universidade Católica Silva Henriquez (Chile), a Universidad Politécnica Salesiana (Ecuador), a Universidade Católica de Brasília (UCB), a Universidad Salesiana de Bolívia (USB) e a Universidad Don Bosco de El Salvador (UDB).

Pesquisadores dessas universidades se reuniram na Universidade Politécnica Salesiana de Quito (UPS), Equador nos dias 24 e 25 de outubro, para discutir a metodologia dessa pesquisa, a ser aplicada a estudantes das cinco Instituições. O Prof. Geraldo Caliman participa da equipe pela Católica de Brasília. A UPS, que sedia o encontro, por sua vez, conta com 28 mil estudantes, a maioria das classes populares, e é a quarta maior universidade do país (Equador).

Seminário Internacional “Juventude Universitária e Direitos Humanos”

20 de outubro de 2016 Deixe um comentário

mesa3Dia 19 de Outubro, aconteceu o Seminário Internacional “Juventude Universitária e Direitos Humanos”.  Veja aqui a PROGRAMAÇÃO.  Estiveram presentes na mesa de abertura o Magnífico Reitor da UCB, Prof. Dr. Gilberto Garcia, tambem Presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE); os oficiais da UNESCO Sr. Fábio Eon e Sra. Mariana Braga; a Diretora da Escola de Educação, profa. Christine Maria Soares de Carvalho e o Coordenador da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade. “Uma vez que as guerras se iniciam nas mentes humanas, é nas mentes humanas que devem ser construídas as defesas da paz” (UNESCO).  Por meio de percepções de jovens universitários, propusemo-nos a coletar evidências do legado transmitido a eles pelas gerações mais vividas, do momento presente e do que se pode esperar do futuro, relacionadas ao tema dos Direitos Humanos. Realizamos uma pesquisa sobre o tema junto a essa população acadêmica, cujos resultados e conclusões vêm se juntar, parcialmente, no livro Juventude Universitária: Percepções sobre Justiça e Direitos Humanos, às contribuições de sete pesquisadores de universidades internacionais (Itália, Espanha, Portugal e México) e de seis outros pesquisadores de universidades brasileiras. Sobre esta obra, assim se exprime José Machado Pais, expert internacional sobre Juventude, professor e coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. “O questionamento das percepções dos jovens universitários sobre justiça e direitos humanos é um convite para que reflitamos no futuro das nossas sociedades. E porque assim é, em mãos temos um livro que nos desafia a imaginar o futuro como reconstrução de um presente cujo teto cultural (de valores, direitos humanos, ética e justiça) se entrecruza com um solo vital (de desigualdades sociais e constrangimentos econômicos). Num estudo onde a esperança de um futuro melhor é debatida, não só no Brasil como noutras latitudes geográficas da América Latina e da Europa, o que descobrimos é que as percepções e aspirações juvenis se jogam num campo de tensões sociais entre discriminação e emancipação, individualismo e solidariedade, sobrevivência e direito a uma vida digna. Poderão estes dilemas ser pensados fora dos processos educacionais?”

Evento Cientifico na Universidade de Caxias do Sul

29 de setembro de 2016 Comentários desligados

Nos dias 21 a 23 de setembro o Coordenador da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade participou da “II Jornada Internacional de Cultura de Paz, Direitos Humanos e Meio Ambiente” realizado na Universidade de Caxias do Sul – UCS, em Caxias do Sul – RS. Ministrou palestra intitulada “Pedagogia Social: Juventude Universitária e Direitos Humanos”. O evento foi promovido pelo Programa de Pós-Graduação em Filosofia e pelo Centro de Ciências Humanas e da Educação.  O objetivo do evento era de proporcionar um espaço de diálogo e reflexão sobre educação e cultura de paz para o fomento de um olhar sensível ao humano e suas circunstâncias na sociedade contemporânea. A Universidade de Caxias do Sul sedia o “Observatório de Cultura de Paz, Direitos Humanos e Meio Ambiente”, coordenado pelo prof. Dr. Paulo César Nodari, leitor da Cátedra Unesco da UCB. 

Os Jesuítas no Brasil: entre a Colônia e a República

18 de setembro de 2016 Comentários desligados

jesuitasOs Jesuítas no Brasil: entre a Colônia e a República (Carlos Angelo de Meneses Sousa e Maria Juraci Maia Cavalcante, Org.).

O Prof. Dr. Carlos Ângelo, Leitor da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade e professor do Programa de Doutorado em Educação da UCB, juntamente com a Profa. Dra. Juraci Cavalcante, Coordenadora da Linha de História da Educação Comparada da UFC organizaram a presente obra, fruto de uma arrojada rede de pesquisadores, que se debruçou sobre a presença e atuação educacional de uma das mais significativas ordens religiosas da Igreja Católica, a Companhia de Jesus ou os Jesuítas. Sua ação percorre nossas terras desde os tempos coloniais, até a República no início do século XX. Não é à toa que os filhos de Inácio de Loyola estão presentes na história da educação brasileira, como nos recordava Fernando de Azevedo e outros eminentes pensadores brasileiros, tanto enaltecendo a sua obra educativa quanto criticando-a, mas sempre recordando de sua forte e marcante presença.

Publicação Cátedra UNESCO: Diálogo um Principio Pedagógico (de Luiz SIVERES)

16 de setembro de 2016 Comentários desligados

dialogo-siveres018Diálogo: um Principio Pedagógico (de Luiz SIVERES). O diálogo é um elemento inerente à condição humana e, portanto, está presente na constituição da identidade dos indivíduos e na realização de sua sociabilidade. Neste caso, o diálogo é um atributo singular de cada membro da sociedade, mas principalmente, uma característica essencial das relações sociais. Para desenvolver essa temática, inserida no contexto atual da educação, o livro: Diálogo – um princípio pedagógico procurou compreender o conceito de diálogo, historicamente situado, e entender como ele poderia fazer-se presente na reflexão e na prática educativa, caracterizando-se, assim, como um princípio pedagógico. Nesta obra, o conjunto dos artigos tem como dinâmica integradora o entendimento do diálogo como um princípio e um processo pedagógico. Portanto, tal conjunto assume um procedimento tridimensional que articula o ser, o saber e o agir pedagógico, bem como a noção de processo que, pela reflexão e prática educativa, estaria contribuindo com o percurso educacional.

Juventude Universitária Percepção de Justiça e Direitos Humanos

30 de junho de 2016 Deixe um comentário

JuvUnivDirHum002Publicado pela Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade: CALIMAN, G.; VASCONCELOS, J.I. (Orgs). Juventude Universitária: Percepção sobre Justiça e Direitos Humanos. Brasília: Cátedra Unesco-UCB; Liber, 2016 (ISBN: 978-85-7963-148-1). Conforme a Constituição da UNESCO (2002), “Uma vez que as guerras se iniciam nas mentes dos homens, é nas mentes dos homens que devem ser construídas as defesas da paz”. Por meio das percepções destes jovens universitários, podemos colher indícios do que a nossa geração lhes legou, de qual é o presente e do que se pode esperar do futuro. Uma pesquisa sobre Direitos Humanos no meio Universitário com a participação de sete pesquisadores de Universidades Internacionais (Itália, Espanha, Portugal, México) e sete pesquisadores de Universidades Brasileiras. Assim se exprime José Machado Pais, expert internacional sobre Juventude, licenciado em Economia e doutorado em Sociologia, Investigador Coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Professor Catedrático Convidado do ISCTE/Instituto Universitário de Lisboa (Portugal) a respeito desta publicação:  “O questionamento das percepções dos jovens universitários sobre justiça e direitos humanos é um convite para que reflitamos no futuro das nossas sociedades. E porque assim é, em mãos temos um livro que nos desafia a imaginar o futuro como reconstrução de um presente cujo teto cultural (de valores, direitos humanos, ética e justiça) se entrecruza com um solo vital (de desigualdades sociais e constrangimentos económicos). Num estudo onde a esperança de um futuro melhor é debatida, não só no  Brasil como noutras latitudes geográficas da América Latina e da Europa, o que descobrimos é que as percepções e aspirações  juvenis se jogam num campo de tensões sociais entre discriminação e emancipação, individualismo e solidariedade, sobrevivência e direito a uma vida digna. Poderão estes dilemas ser pensados fora dos processos educacionais?” Você pode baixar o livro em PDF