Arquivo da categoria: Catedra UNESCO

Catedra UNESCO Juventude Educação e Sociedade

A perspectiva socioeducativa de Paulo Freire


ORZECHOWSKI, S.T.; CALIMAN, G. A perspectiva socioeducativa de Paulo Freire, uma Pedagogia social sobre liberdade, amorosidade e paciência pedagógica. Revista de Pedagogia Social, vol 12, out. 2021. (ISSN 2527-0974; DOI https://doi.org/10.22409/rpsuff.v12i12 )

A reunião de ideias aqui transcritas pretendem exercer uma forte ação
de problematização aos leitores a partir das convicções de Paulo Freire, as quais
iluminam a concepção da Pedagogia Social. Os conceitos aqui apresentados
trazem a luz sobre a perspectiva socioeducativa da educação libertadora que
prescinde de uma paciência pedagógica que conduz a autonomia.
Palavras- chave: Freire; educação; pedagogia; pedagogia social.
Itens: Liberdade como autoridade; As Obras, a palavra e o pensamento grávido de mundo; A pedagogia, a educação e o sujeito que é social; Freire e a Pedagogia Social; Ponderações finais.

A função social da Universidade


A função social da Universidade: diálogos além fronteiras. CORREIA, Fábio Caires; CASTRO, Gillianno Mazzetto de. (Orgs). Porto Alegre, RS: Editora Fundação Fênix, 2021.

De autoria de Fabio Caires e Gillianno Mazzetto, é publicado com o logotipo da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade da Universidade Católica de Brasília. Este é um livro que se propõe pensar o papel social da universidade com vozes de múltiplos lugares, estilos, olhares e realidades: eis o nosso escopo. Uma obra atravessada e irmanada por uma história para muitos desconhecida, mas que marca o desenvolvimento da humanidade. Eis a nossa música de fundo. A universidade, seja ela como queiram nominá-la, desde a Eduba suméria, passando pela Nalanda indiana, cruzando os desertos e encontrando refrigérios nos Oásis das Madaças árabes, cruzando os olivais europeus e chegando as terras da promessa portuguesa, isto é, o Brasil sempre portaram consigo o cheiro do infinito. Há nelas o signo da utopia e dentro delas, muitas vezes de maneira soturna, anoitecida, o pulsar do chamado. O vocativo pertinente e inerente a cada ser humano. Ad astra! Isto é, para o alto. As universidades como lugares do dever ser e do devir a ser. Elas, como habitações do Já-e-ainda-não cultivam-se nos horizontes da profecia, do professorado e da esperança. Por que profecia, professorado e esperança? Profecia, pois, estas instituições deveriam ser leitoras inteligentes da realidade, elas são aquelas que pro – “à frente, adiante” pheme “palavra”, ou seja, aquelas que põem a palavra adiante, aquelas que anteveem. Professorado porque, pro- “à frente, adiante” e fari “fala”, são aquelas que falam publicamente, falam diante. Esperança porque é nelas que as gerações são formadas. É nelas que os discentes, aqueles que aprendem, tornado-se discípulos, aqueles que seguem, constroem o presente amanhecido do mundo da vida. Perguntarmo-nos sobre o papel social da universidade, principalmente no século XXI em um contexto no qual o mundo foi assolado por uma pandemia significa redescobrir essa intuição original. A universidade não como um lugar de informação apenas, mas como um espaço de encontro no qual a tradição dos povos é acolhida, ruminada, compartilhada, retrabalhada, ampliada e devolvida sob a forma de ensino, pesquisa e extensão, ou valendo-nos de uma roupagem clássica, debaixo do véu do discipulado, do conhecimento e da comunidade. A universidade está imersa na sociedade, em correspondência eficiente com ela, de forma dialógica e recíproca, assumindo uma função social. Sua atividade não pode se ajustar apenas à prática acadêmica, mas à sua missão socialmente comprometida.

TDICS e os Desafios em Tempos de Pandemia


PEREIRA, A.M.; PERPÉTUO, L.D.; CALIMAN, G. Formação docente, tecnologias digitais de informação e comunicação (TDICS) e os desafios em tempos de pandemia. In: NHANOMBE, A.A.; LIMA, F.X.R.F.; SILVA, J. L. B. da (Orgs.) . Temas de Gestão, Ensino e Formação Docente. Rio de Janeiro: Pembroke Collins, 2021, pp. 304-321. ISBN 978-65-89891-23-9
No início do ano de 2020, fomos surpreendidos pela chegada assustadora da pandemia e os desafios advindos do coronavírus (Covid-19), afetando a sobrevivência humana. Com a pandemia foi preciso nos reinventar e criar estratégias para a atuação laboral e nos adaptar a um novo contexto de vida, com destaque para o setor da educação, que se tornou um ponto nevrálgico e de grande preocupação para toda a sociedade. Diante do exposto, colocam-se questionamentos sobre as novas formas de ensinar em tempos de pandemia e quanto à formação dos professores: até que ponto a formação ofertada deu suporte para que os nossos educadores pudessem realizar com propriedade o trabalho pedagógico? Considerando a situação vivenciada pelos educadores, este artigo buscou investigar a formação de professores da Educação Básica. Ao mesmo tempo, busca-se compreender em que medida os professores da escola pública estão preparados e possuem acesso às Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs). Um terceiro objetivo é identificar os efeitos do ensino remoto na vida e na saúde dos docentes em contexto pandêmico. Nessa perspectiva, diversos autores, entre eles Nóvoa (2020), Morin (2000), Prensky (2011), Perrenoud (2000) e Freire (1997), refletem sobre a importância da formação de professores para o fortalecimento das diretrizes da educação. A formação aqui considerada está ligada à preparação do professor para o uso das TDICs.

Prof. Caliman ministra aulas no Curso de Especialização em Educação Social da USP


Educação Social da USP. O curso é administrado pela Faculdade de Educação (FE-USP) sob a coordenação do Prof. Roberto da Silva. São 150 os participantes. O Prof. Geraldo Caliman participou da Abertura que foi realizada no Domingo dia 19/09/21, à noite, por ocasião da celebração dos cem anos de Paulo Freire. E ministrou a aula (online) no dia 22/09 à noite, sempre para um público muito interessado e já envolvido com a Pedagogia Social, O curso continua durante dez meses, com participação de vários professores que trabalharam desde os anos noventa com a difusão e fundamentação teórica e metodológica da Pedagogia Social no Brasil. Discursou por duas horas e meia sobre o conceito de Pedagogia Social e sobre o percurso da Pedagogia Social no Brasil nos últimos anos.

Altas Habilidades Volume 1 – com o selo da Cátedra UNESCO 812


VAZZOLER-MENDONÇA, A.; COSTA-LOBO, C.; MEDEIROS, A.M.; CAPELLINI, V.L.(Orgs.). Altas habilidades, Saúde, Desporto e Sociedade. Vol. 1. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Altas Habilidades Volume 1 [Baixar PDF]Baixar

Foram lançados no dia 14 de agosto os dois livros dedicados às Altas Habilidades, em parceria com o IES-Fafe (Portugal) e com a Editora Cultura Acadêmica. O primeiro volume é organizado em seis partes, entre: Prefácio, Apresentação, Introdução; Seção 1 – Psicologia; Seção 2 – Educação; Seção 3 – Neurociências; Seção 4 – Psicologia do Esporte, Educação Física e Ciências do Esporte; Seção 5 – Direito e Ciências Sociais; Seção 6 – Relatos de Experiência. O Prof. Dr. Cândido Alberto da Costa Gomes, fundador da Cátedra UNESCO assim os apresenta: “Os direitos humanos reiteraram a liberdade e a igualdade de direitos para todos, bem como a dignidade humana, como alicerces da nova convivência, num mundo cada vez mais caleidoscópico e interdependente. O direito à educação para todos é um direito fundamental, que abre o acesso a outros direitos, como à saúde, ao trabalho, ao lazer. Todavia, estudantes e docentes se diferenciam por gênero, etnia, língua, religião, origens sociais, capacidades intelectuais demonstradas e outros critérios de um leque amplo. E as sociedades tendem a hierarquizar as diferenças, diferenciar os tratamentos e, não raro, passar um rolo compressor sobre os não correspondentes ao ‘normal’. Os divergentes tendem a sofrer um custo, como estudantes superdotadas(os) e de altas habilidades. Quem são elas(es)? Como se sentem? Sentem-se sós ou isoladas(os)? São tratadas(os) com igualdade de direitos em suas diferenças? Também são alvos de bullying e cyberbullying? Com razão e consciência, usualmente nos preocupamos com os socialmente vulneráveis e aqueles a quem o ambiente apresenta dificuldades visíveis. Porém, os caminhos podem ser pedregosos para qualquer diferente. Para uma realidade multifacetada, esta obra é também multidisciplinar: estuda a população de superdotados e de altas habilidades sob vários focos, como a psicologia, as neurociências, a educação, o direito e as ciências sociais, por autoras(es) de diversos países, em variados idiomas, que o entrelaçamento mundial e as tecnologias hoje permitem. Portanto, são páginas abertas ao debate científico, tendo como finalidade última a concretização dos direitos humanos em torno da liberdade, da igualdade e da dignidade de cada pessoa e dos grupos que constituem.

Publicado com selo da Cátedra UNESCO/UCB “Altas Habilidades Volume 2: Saúde, Desporto e Sociedade


VAZZOLER-MENDONÇA, A.; COSTA-LOBO, C.; MEDEIROS, A.M.; CAPELLINI, V.L.(Orgs.). Altas habilidades, Saúde, Desporto e Sociedade. Vol. 2. São Paulo: Cultura Acadêmica.

Altas habilidades – Volume 2 [Baixar PDF]

Foram lançados no dia 14 de agosto os dois livros dedicados às Altas Habilidades, em parceria com o IES-Fafe (Portugal) e com a Editora Cultura Acadêmica. O segundo volume é organizado em seis partes, entre: Prefácio, Apresentação, Introdução; Seção 1 – Psicologia; Seção 2 – Educação; Seção 3 – Neurociências; Seção 4 – Psicologia do Esporte, Educação Física e Ciências do Esporte; Seção 5 – Direito e Ciências Sociais; Seção 6 – Relatos de Experiência. O Prof. Dr. Cândido Alberto da Costa Gomes, fundador da Cátedra UNESCO assim os apresenta: “Os direitos humanos reiteraram a liberdade e a igualdade de direitos para todos, bem como a dignidade humana, como alicerces da nova convivência, num mundo cada vez mais caleidoscópico e interdependente. O direito à educação para todos é um direito fundamental, que abre o acesso a outros direitos, como à saúde, ao trabalho, ao lazer. Todavia, estudantes e docentes se diferenciam por gênero, etnia, língua, religião, origens sociais, capacidades intelectuais demonstradas e outros critérios de um leque amplo. E as sociedades tendem a hierarquizar as diferenças, diferenciar os tratamentos e, não raro, passar um rolo compressor sobre os não correspondentes ao ‘normal’. Os divergentes tendem a sofrer um custo, como estudantes superdotadas(os) e de altas habilidades. Quem são elas(es)? Como se sentem? Sentem-se sós ou isoladas(os)? São tratadas(os) com igualdade de direitos em suas diferenças? Também são alvos de bullying e cyberbullying? Com razão e consciência, usualmente nos preocupamos com os socialmente vulneráveis e aqueles a quem o ambiente apresenta dificuldades visíveis. Porém, os caminhos podem ser pedregosos para qualquer diferente. Para uma realidade multifacetada, esta obra é também multidisciplinar: estuda a população de superdotados e de altas habilidades sob vários focos, como a psicologia, as neurociências, a educação, o direito e as ciências sociais, por autoras(es) de diversos países, em variados idiomas, que o entrelaçamento mundial e as tecnologias hoje permitem. Portanto, são páginas abertas ao debate científico, tendo como finalidade última a concretização dos direitos humanos em torno da liberdade, da igualdade e da dignidade de cada pessoa e dos grupos que constituem.

Juventude Universitária Percepção de Justiça e Direitos Humanos


JuvUnivDirHum002Publicado pela Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade: CALIMAN, G.; VASCONCELOS, J.I. (Orgs). Juventude Universitária: Percepção sobre Justiça e Direitos Humanos. Brasília: Cátedra Unesco-UCB; Liber, 2016 (ISBN: 978-85-7963-148-1). Conforme a Constituição da UNESCO (2002), “Uma vez que as guerras se iniciam nas mentes dos homens, é nas mentes dos homens que devem ser construídas as defesas da paz”. Por meio das percepções destes jovens universitários, podemos colher indícios do que a nossa geração lhes legou, de qual é o presente e do que se pode esperar do futuro. Uma pesquisa sobre Direitos Humanos no meio Universitário com a participação de sete pesquisadores de Universidades Internacionais (Itália, Espanha, Portugal, México) e sete pesquisadores de Universidades Brasileiras. Assim se exprime José Machado Pais, expert internacional sobre Juventude, licenciado em Economia e doutorado em Sociologia, Investigador Coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e Professor Catedrático Convidado do ISCTE/Instituto Universitário de Lisboa (Portugal) a respeito desta publicação:  “O questionamento das percepções dos jovens universitários sobre justiça e direitos humanos é um convite para que reflitamos no futuro das nossas sociedades. E porque assim é, em mãos temos um livro que nos desafia a imaginar o futuro como reconstrução de um presente cujo teto cultural (de valores, direitos humanos, ética e justiça) se entrecruza com um solo vital (de desigualdades sociais e constrangimentos económicos). Num estudo onde a esperança de um futuro melhor é debatida, não só no  Brasil como noutras latitudes geográficas da América Latina e da Europa, o que descobrimos é que as percepções e aspirações  juvenis se jogam num campo de tensões sociais entre discriminação e emancipação, individualismo e solidariedade, sobrevivência e direito a uma vida digna. Poderão estes dilemas ser pensados fora dos processos educacionais?” Você pode baixar o livro em PDF

Artigo: Pedagogia Social, Relações Humanas e Educação


Mediação3
O artigo de Caliman intitula-se “Pedagogia Social, Relações Humanas e Educação” e está centralizado na necessidade de criar um ambiente educativo que se assemelhe a uma comunidade educativa, favorável ao desenvolvimento da criança e do adolescente em contexto escolar. O autor discorre, no capítulo, sobre as dimensões da ação sociopedagógica de inspiração humanista, considerando as dimensões racional, relacional, existencial e profissional; Metodologias que priorizam as relações humanas; mas que aceitem os jovens dialogando a partir de um “ponto acessível à mudança”. Finaliza com provocações de como ativar, em contexto escolar, as relações humanas, obtendo benefícios eficazes para a formação e educação das crianças e adolescentes.

O artigo encontra-se no livro “Educação Básica: Concepções e Práticas”, publicado pela Uninove (SP), pp. 187-203. Resulta de um esforço coletivo de pesquisadores do Departamento de Educação da Uninove, que, junto à Secretaria Municipal de Educação de SP, em fins de 2014, reuniram em um Congresso pesquisadores de diversas nacionalidades e universidades em torno do tema das “Práticas Pedagógicas da Educação Básica”.

Mediação de Conflitos em Contextos de Violência


KATIA-Mediação001

Clique na imagem e baixe em PDF

Mediação, simbolização e Espaço Grupal: Propostas de Intervenções com Adolescentes Vulneráveis” (Kátia BRASIL; Didier DRIEU, Org.). Este livro se integra à coleção Juventude, Educação e Sociedade, com selo da Cátedra UNESCO da Universidade Católica de Brasilia e se propõe a apresentar intervenções e questões teóricas em relação à mediação e à simbolização no contexto educativo, nas instituições de saúde e no espaço psicoterapêutico. O livro nasce a partir do intercâmbio entre brasileiros e franceses que desenvolvem pesquisas e intervenções junto a populações vulneráveis e a instituições que as acolhem, com o propósito de evidenciar a diversidade metodológica de intervenção nessa população e promover uma discussão que privilegie a temática do mal-estar e da subjetivação do adolescente, a escuta dos jovens em conflito com a lei e os elementos epistemológicos e metodológicos da intervenção nesse segmento da população. Se divide em duas partes: a primeira intitulada “Mediação e simbolização no espaço escolar: política, inclusão e subjetivação” aborda como o espaço escolar pode fornecer aos adolescentes em situação de vulnerabilidade instrumentos para a transformação de si e a reinscrição no tecido social. A segunda parte do livro intitula-se “Mediação e simbolização: perspectivas psicanalíticas” e apresenta capítulos que trazem intervenções junto a adolescentes vulneráveis do ponto de vista psíquico.

 

 

Lançamento de Livro “MEC Pós-Constituição”


 

mec1De autoria do Prof. Dr. Celio da Cunha, o livro “MEC Pós-Constituição” foi lançado por ocasião da Aula Inaugural do Primeiro Semestre de 2016 do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Brasília, no dia 11 de março. A mesa de abertura foi composta pela diretora da Escola de Educação, Tecnologia e Comunicação, professora Christine Maria Soares de Carvalho; professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCB, Célio da Cunha e pelo coordenador da Cátedra UNESCO da UCB, professor Geraldo Caliman, que destacaram a importância da discussão sobre o Plano Nacional de Educação e do lançamento do livro “O MEC Pós-Constituição”. Organizado pelo pesquisador e professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCB, Célio da Cunha, o livro “O MEC Pós-Constituição”, traz todos os ministros da educação e o impacto de suas políticas no Brasil desde a Constituição de 1988 até hoje. “O livro é o resultado do trabalho de mais de três anos de um grupo de professores e estudantes do Programa de Pós-Graduação em Educação, no sentido de fazer um mapeamento das políticas educacionais no Brasil, após a constituição de 88. Ao todo são nove ministros, nove capítulos, precedido também de um capítulo inicial que procura fazer um elo entre os manifestos pioneiros da Educação Nova de 1932 e a continuidade desses sonhos pioneiros após a constituição”, conta o professor.

 

Em sua 20ª publicação, a Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade da Católica, tem tido uma grande atuação nas pesquisas do Programa. “É muito bom poder estar presente em mais um lançamento aqui na UCB. Essa é uma produção extremamente significativa e para esse ano ainda temos mais três livros em processo de finalização”, conta o coordenador da Cátedra da UCB, professor Geraldo Caliman.

 

Artigo: O Papel da Educação Social na Reabilitação Criminal


Baixe aqui: RIBEIRO-CALIMAN: Reabilitação Criminal: o Papel da Educação Social em Processos de Violência e Exclusão 

O artigo aborda a questão da reabilitação criminal no Brasil ressaltando a importância e a função da educação e, mais precisamente, da educação social e de seu profissional, o educador social nos processos de reinserção social de ex-presidiários. O objetivo principal é o de superar os frios procedimentos do aparato legal, reconhecer a limitação de sua aplicação prática às pessoas que tiveram condenações junto à justiça criminal, abrindo perspectivas à ação educativa potencializada pelos princípios metodológicos da pedagogia social e pela sua dimensão prática, a educação social. A reflexão é feita com base aos paradigmas interpretativos do risco social, da exclusão social e da justiça atuarial. Se por um lado constata-se uma baixa reinserção social após o envolvimento com a marginalidade por outro, projeta-se suas potencialidades que nascem da necessidade de dar respostas aos desafios da inclusão pela educação social em contextos marcados pela prevalência do controle social, da vigilância, do conflito e da violência.

THE BATTLE AGAINST CYBERBULLYING In: European Scientific Journal, v. 11, p. 473-481, 2015


RIBEIRO-CALIMAN-Cyberbullying2.pdf

This article analyses public policies about cyberbullying in Brazil starting with an Internet investigation about bills pending in National Congress, existent legislations and UNESCO’s recommendations. The goal is to verify, by means of critical discourse analysis, to whom these policies are destined, which are the predominant discourses and the values and intentions that they represent. The problem found is in the absence of specific public policies to the cyberbullying phenomenon due to subdivisions made to wide legislations and the influence of international agencies. To decrease violence that is produced by virtual bullying, strategies are suggested, such as inserting education as protagonist of public policies that may be implemented, taking into account the human rights paradigm as a fundamental value.

Apresentação e lançamento de novo livro na Comissão de Educação do Senado


carimboíndice2índiceíndice3
A cerimonia de apresentação e lançamento do livro em coautoria com Loni Manica (Inclusão de Pessoas com Deficiência na Educação Profissional e no Trabalho) aconteceu dia 02 de dezembro, na Comissão de Educação do Senado Federal, que é presidida pelo Senador Romário. Prof. Caliman deu também entrevista para um programa da TV Senado. O Senador Romário é o presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte. Ele também tem uma filha com síndrome de down. No Brasil, as possibilidades e os limites da inclusão de alunos com deficiência (PcD) em classes regulares é um tema que divide opiniões. De um lado, há os que defendem que é possível incluir, todos os estudantes em salas regulares, não importando o tipo de deficiência. De outro, existem aqueles que defendem que, em alguns casos, é melhor para a PcD estudar em uma classe ou escola especial. A reflexão proposta pautará sobre resultados de uma pesquisa inédita de doutorado em educação que trata sobre o tema.
Tal pesquisa foi realizada em nível nacional (Brasil) e focou em dois grandes temas: o primeiro relacionado ao perfil docente e, o segundo relacionado aos limites e possibilidades da inclusão. Os resultados do primeiro tema já estão divulgados no livro A Educação Profissional para Pessoas com deficiência: um novo jeito de ser docente, já os resultados do segundo tema abordado na pesquisa, serão apresentados, de forma inédita, neste livro.
Os próprios alunos com deficiência revelam que nem sempre se sentem incluídos em turmas regulares. Então será que a única saída para a inclusão será que as escolas regulares abram espaço para todo e qualquer tipo de pessoa com deficiência, ela desejando ou não estar nesta escola? Qual será a saída?Turmas especiais dentro dos ambientes escolares pode ser uma solução necessária para incluir?

Para adquirir: Paco Editorial

Seminário Internacional Adolescência Configurações Contemporâneas


2014-09-05-ARENAS1Como parte das celebrações dos 20 anos do Programa Stricto Sensu em Educação da Universidade Católica de Brasília, a Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade, seu Coordenador, Prof. Dr. Geraldo Caliman, junto aos professores do Programa e o Grupo de Pesquisa ‘Juventude, Educação e Sociedade’ realizam nos dias 30 e 31 de outubro o “Seminário Internacional Adolescência: Configurações Contemporâneas”. O seminário pretende mobilizar educadores, profissionais da saúde, pesquisadores e diferentes segmentos da comunidade, para o lugar que a adolescência, em suas várias configurações, conquistou na cena contemporânea. Entre as atividades previstas: no dia 30/10 Reunião dos grupos de pesquisa com os prof. Dr. Jean-François Chiantaretto (Université Paris XIII) e a Profa. Dra. Catherine Matha (Université Paris XIII); no dia 31/10: Palestras abertas ao Público (gratuitas): às 9h00 – Mesa de Abertura com presença de Representante da Representação da UNESCO-Brasília; às 9h30 Conferencia do Prof. Dr. Didier Drieu (Université Caen Basse-Normandie); às 14h30 Conferencia do Prof. Dr. Jan-Yves Chagnon (Université Paris XVIII).

Nova publicação com o Selo da Cátedra: A Educação em Novas Arenas


2014-08-15-ARENASO livro intitulado A EDUCAÇÃO EM NOVAS ARENAS sai com o selo da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade. É um trabalho desenvolvido pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Brasília, tendo como organizadores os professores doutores Célio da Cunha, Wellington Ferreira de Jesus e Ranilce Guimarães-Iosif,  objetiva contribuir com a proposta de uma política educacional pautada na pesquisa científica, apontando para perspectivas nacionais e internacionais, nas quais estariam envolvidos velhos e novos atores sociais, sendo abordadas questões recorrentes e emergentes da realidade local e global apresentadas por docentes, mestrados e doutorandos envolvidos em projetos de pesquisa. Nesse procedimento, serão compreendidos os novos programas para a internacionalização, porém, sem desconsiderar os aspectos positivos e negativos de um projeto de governança corporativa. Da mesma forma, colocar-se-á em evidência uma relação dialógica que permeia o processo de construção do conhecimento, por meio da pesquisa, bem como, indicando outras possibilidades de investigação sobre a temática proposta, independentemente, de a sua abordagem ser mais tradicional ou mais inovadora.