Arquivo mensal: novembro 2021

Diversidade Cultural: em parceria com Unisal e seu Núcleo Étnico-Cultural e Social


MORAES, Elisângela Lambstein Franco de (Org.). Diversidade Cultural: 18 anos da Lei 10.639. São Carlos: Pedro & João Editores, 2021. 127p. (baixar e-book)

Elisângela Lambstein Franco de Moraes, atualmente trabalha como Coordenadora Pedagógica SESI – SP Serviço Social da Indústria, Consultora em Educação, Psicopedagoga e Psicanalista. Afirma ela que, como “mulher, branca, mãe de dois filhos, me engajou nos estudos do Mestrado em um projeto com o foco na luta antirracista, movimento que me dedico até os dias atuais”. O livro “Diversidade Cultural” que ho­menageia os 18 anos da Lei 10.639, da pesquisadora Elisângela Lambstein Franco de Moraes, é, antes de tudo, uma obra que amplia o debate público sobre a educação das relações étnico-raciais, especialmente sobre a cultura afro-bra­sileira na escola. Um debate necessário, e urgente, que segue na direção de uma sociedade mais plural, respeitosa e dia­logal em relação à riqueza cultural e étnica, presente nos quatro cantos desse país. Entre os temas enfrentados estão: A Cultura Afro-brasileira no Espaço Escolar; Capoeira no Espaço Escolar; Formação de Professores no horizonte da Educação; Visibilidade da Mulher Negra no Currículo Escolar; Cultura, História e Educação Crítica Emancipadora.

Tela de Abertura: Pedagogia Social: da Indignação à Emancipação?


No dia 17 de novembro o Prof. Geraldo Caliman proferiu conferência de abertura do seminário “Pedagogia Social indignação e/ou emancipação”, promovido pelo Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). A tela de abertura do evento foi conduzida e moderada pelo prof. Arthur Viana. A conferência está disponível no link abaixo via YouTube. https://youtu.be/bXUPmEnWAF4

Assista no YouTube: https://youtu.be/bXUPmEnWAF4

A perspectiva socioeducativa de Paulo Freire


ORZECHOWSKI, S.T.; CALIMAN, G. A perspectiva socioeducativa de Paulo Freire, uma Pedagogia social sobre liberdade, amorosidade e paciência pedagógica. Revista de Pedagogia Social, vol 12, out. 2021. (ISSN 2527-0974; DOI https://doi.org/10.22409/rpsuff.v12i12 )

A reunião de ideias aqui transcritas pretendem exercer uma forte ação
de problematização aos leitores a partir das convicções de Paulo Freire, as quais
iluminam a concepção da Pedagogia Social. Os conceitos aqui apresentados
trazem a luz sobre a perspectiva socioeducativa da educação libertadora que
prescinde de uma paciência pedagógica que conduz a autonomia.
Palavras- chave: Freire; educação; pedagogia; pedagogia social.
Itens: Liberdade como autoridade; As Obras, a palavra e o pensamento grávido de mundo; A pedagogia, a educação e o sujeito que é social; Freire e a Pedagogia Social; Ponderações finais.

Palestra do Prof. Caliman sobre Pedagogia Social e Responsabilidade Social


O Prof. Geraldo Caliman pronuncia palestra sobre “Pedagogia social e responsabilidade social” (terça-feira, 23 de novembro, 19 horas). Link acima.

Com o tema “O Papel Social da Universidade”, a coordenação de pastoralidade do Centro Universitário Católica do Tocantins (UniCatólica) realizará de 22 a 26 de novembro o primeiro Ciclo de Conferências Internacionais gratuitas para acadêmicos, docentes, profissionais da área e comunidade em geral. O evento faz parte da Programação do Ano Jubilar da mantenedora da Instituição, a União Brasileira de Educação Católica (UBEC). O ciclo será transmitido via YouTube do UniCatólica e receberá palestrantes de várias instituições de Ensino Superior brasileiras entre elas, a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), e estrangeiras, como Universidades de Moçambique, Roma, Portugal, Madri e Washington. Os participantes de todas as conferências receberão certificados com carga horária de 18 horas.

Programação
Confira a programação completa do Ciclo de Conferências Internacionais abaixo:
22/11 – 15h – Prof. Dr. Severino Engenha – Universidade Técnica de Moçambique
23/11 – 19h – Prof.ª Dr.ª Ruth Pavan; Prof. Dr. José Licínio Backes e Prof. Dr. Geraldo Caliman – Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) e Universidade Católica de Brasília (UCB)
24/11 – 19h – Prof. Dr. Antônio Joaquim Severino – Faculdade de Educação da USP – SP
25/11 – 17h – Prof. Dr. José Franisco Meirinhos – Universidade do Porto – Portugal
26/11 – 15h – Prof. Dr. José Antonio Zamora – WestfäliscThe-WilThelms-Universtät de Münster – Madri, Alemanha
26/11 – 20h – Prof.ª Dr.ª Livia Lopes – CUA Student Organisation of Latinos (SOL) – Washington (EUA)

A função social da Universidade


A função social da Universidade: diálogos além fronteiras. CORREIA, Fábio Caires; CASTRO, Gillianno Mazzetto de. (Orgs). Porto Alegre, RS: Editora Fundação Fênix, 2021.

De autoria de Fabio Caires e Gillianno Mazzetto, é publicado com o logotipo da Cátedra Unesco de Juventude, Educação e Sociedade da Universidade Católica de Brasília. Este é um livro que se propõe pensar o papel social da universidade com vozes de múltiplos lugares, estilos, olhares e realidades: eis o nosso escopo. Uma obra atravessada e irmanada por uma história para muitos desconhecida, mas que marca o desenvolvimento da humanidade. Eis a nossa música de fundo. A universidade, seja ela como queiram nominá-la, desde a Eduba suméria, passando pela Nalanda indiana, cruzando os desertos e encontrando refrigérios nos Oásis das Madaças árabes, cruzando os olivais europeus e chegando as terras da promessa portuguesa, isto é, o Brasil sempre portaram consigo o cheiro do infinito. Há nelas o signo da utopia e dentro delas, muitas vezes de maneira soturna, anoitecida, o pulsar do chamado. O vocativo pertinente e inerente a cada ser humano. Ad astra! Isto é, para o alto. As universidades como lugares do dever ser e do devir a ser. Elas, como habitações do Já-e-ainda-não cultivam-se nos horizontes da profecia, do professorado e da esperança. Por que profecia, professorado e esperança? Profecia, pois, estas instituições deveriam ser leitoras inteligentes da realidade, elas são aquelas que pro – “à frente, adiante” pheme “palavra”, ou seja, aquelas que põem a palavra adiante, aquelas que anteveem. Professorado porque, pro- “à frente, adiante” e fari “fala”, são aquelas que falam publicamente, falam diante. Esperança porque é nelas que as gerações são formadas. É nelas que os discentes, aqueles que aprendem, tornado-se discípulos, aqueles que seguem, constroem o presente amanhecido do mundo da vida. Perguntarmo-nos sobre o papel social da universidade, principalmente no século XXI em um contexto no qual o mundo foi assolado por uma pandemia significa redescobrir essa intuição original. A universidade não como um lugar de informação apenas, mas como um espaço de encontro no qual a tradição dos povos é acolhida, ruminada, compartilhada, retrabalhada, ampliada e devolvida sob a forma de ensino, pesquisa e extensão, ou valendo-nos de uma roupagem clássica, debaixo do véu do discipulado, do conhecimento e da comunidade. A universidade está imersa na sociedade, em correspondência eficiente com ela, de forma dialógica e recíproca, assumindo uma função social. Sua atividade não pode se ajustar apenas à prática acadêmica, mas à sua missão socialmente comprometida.