Arquivo mensal: julho 2022

Viagem a Portugal em representação da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade da UCB


Há quase quinze anos de sua criação a Catedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade trabalha na construção de uma rede de cooperação interuniversitária nacional e internacional. É o que nos motivou a estarmos presentes em Portugal, mais precisamente na região do Porto, dos próximos dias 9 a 23 de junho de 2022 para aprofundarmos contatos e parcerias, algumas já existentes há vários anos, com três entidades universitárias do norte de Portugal.

Foi inesquecível a oportunidade de conhecer a Cidade do Porto com os jovens participantes do curso de formação de agentes de turismo. Eles falavam um belo inglês e foram muito gentis na atenção ao representante desta Cátedra UNESCO de Juventude.
Trabalhamos, outrossim, no sentido de assumir nos diversos níveis organizacionais, curriculares e de políticas acadêmicas, os objetivos de desenvolvimento sustentáveis dentro as universidades do Grupo UBEC, como a UCB, FICB, Unicatólica e Unileste.
Como é um trabalho em rede, às vezes se manifesta invisível, mas presente através da ponta do iceberg das nossas pesquisas e consequentes publicações, impulsionadas pela Cátedra que, nos últimos dez anos, compreendem cerca de setenta títulos de livros (uma dezena ao ano) voltados para as temáticas de juventude e educação. De modo especial sobre os direitos humanos, culturas de paz e processos educativos voltados à pedagogia escolar e à pedagogia social.

Durante o mês de junho o Prof. Geraldo Caliman faz uma série de visitas a algumas universidades portuguesas em representação da Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade. São entidades universitárias conveniadas ou parceiras da Cátedra UNESCO.

No dia 6 de junho, segunda feira, o Prof. Caliman falou na Abertura do II Congresso de Ação Humanitária e Cooperação para o Desenvolvimento 6 de junho. O evento é organizado pelo Prof. João Casqueira Cardoso, professor da Universidade Fernando Pessoa e pesquisador associado à Cátedra UNESCO/UCB.

Dia 13, Segunda feira, na cidade do Porto realiza-se uma visita e assinatura de parceria com o Externato Santa Clara/ Academia Beatriz Ribeiro. Esta instituição tem como base da sua concepção pedagógica a transdisciplinaridade, visando contribuir para a formação de cidadãos com uma sólida componente pessoal, social, científica e tecnológica e que desenvolvam as competências necessárias para um bom desempenho profissional e cívica, com autonomia e espírito crítico, com vista à integração na sociedade global em constante mudança. O Externato Santa Clara/Academia Beatriz Ribeiro aposta numa escola inclusiva tem em vista que todos e cada um dos alunos, independentemente da sua situação pessoal e social, encontrem respostas que lhes possibilitem a aquisição de um nível de educação e formação facilitadores da sua plena inclusão social.

No dia 15 o prof. Caliman profere uma conferência no Seminário Internacional de Educação, Sociedade e Culturas em Perspectivas Futuras. Sua contribuição discorrerá sobre a Dimensão Social da Educação e suas perspectivas em terras brasileiras.

Dia 17, sexta feira teremos participa de uma visita à Associação para o Desenvolvimento Integrado da Cidade de Ermesinde. É uma Instituição Particular de Solidariedade Social do Município de Valongo, como também ao Centro de Ensino Superior Politécnico e Universitário (CESPU) que pretende uma parceria com a Cátedra UNESCO 812. Na CESPU o Prof. Geraldo Caliman fará conferência sujeita ao tema Metodologias pedagógicas voltadas para a inclusão social e fará a abertura/o lançamento do Programa internacional de pós doutoramento em Ciências Sociais.

Dias 20, 21 e 22 estará no Norte de Portugal, em Fafe, mais precisamente no Instituto de Ensino Superior de Fafe (IESF) uma Universidade já parceira da Cátedra UNESCO desde 2015. O Prof. Caliman fará uma Conferência sobre o desenvolvimento da Pedagogia Social no Brasil, para os estudantes da Graduação em Educação Social desta Universidade.

Pelo reconhecimento da profissão do Educador Social


A Cátedra UNESCO de Juventude, Educação e Sociedade esteve no dia 05 de julho presente na COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO da Câmara dos Deputados para fazer presença em prol do prosseguimento do PROJETO DE LEI Nº 2.941, DE 2019 ao qual está apensado o PL 2.676, de 2019, que tem por objetivo a regulamentação da profissão de Educador Social no Brasil.
A solidariedade partiu principalmente a partir dos participantes dos Educadores e Educadoras Populares, Educadores e Educadoras Comunitárias e Educadores e Educadoras Sociais, participantes do Curso Internacional de Especialização em Pedagogia Social na Universidade de São Paulo (USP), do qual fez parte integrante o Prof. Geraldo Caliman.
Assim se exprimem os mais de quinhentos signatários da carta:
“Esta é a profissão mais antiga do mundo e temos excelentes educadores e educadoras que não tiveram acesso à Educação Básica, sendo alguns até mesmo analfabetos, estes talvez nunca terão a oportunidade de fazer um Curso Superior na vida, mas ninguém tem dúvidas do papel fundamental que exercem na sociedade e em suas comunidades indígenas, quilombolas, ribeirinhas, extrativistas, de pescadores, nas associações de amigos de bairros, cooperativas agrícolas etc, bem como os mestres e as mestras artesãos, mestres e mestras de capoeira, artistas populares, arte-educadores, que fizeram seu aprendizado no Mundo da Vida e no Mundo do Trabalho.
Senhores parlamentares, nós não exigimos, e nem a lei exige, que ingressantes aos poderes Legislativo e Executivo, tenham curso Superior para ocuparem seus privilegiados postos, então por que criar uma elite de profissionais com nível superior, excluindo todos os demais que se forjaram enquanto educadores e educadoras, a partir de suas histórias de vida, da luta política e da militância social?
Solicitamos à Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público que acolha a Emenda do Deputado Vicentinho, que tem o apoio de todos os signatários desta.
Para o devido reconhecimento e regulamentação dos Educadores e Educadoras Sociais no Brasil temos que valorizar o saber popular como base de uma carreira que pode contemplar o Ensino Médio, o Ensino Técnico Profissional e o Ensino Superior”.